Mais do que metal: incríveis trajes de armadura históricos

Mais do que metal: incríveis trajes de armadura históricos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A armadura era comumente usada por guerreiros para proteção durante o combate. Alguns deles, como o lorica segmentata dos legionários romanos e a armadura de placa do cavaleiro medieval, são exemplos bem conhecidos desses trajes de proteção. Outros são talvez menos famosos e constituirão o assunto deste artigo. As armaduras serão divididas em três tipos - as feitas de metal, as feitas com partes de animais e as feitas com material vegetal.

Ternos de metal

O metal é um dos materiais mais comuns usados ​​para a criação de armaduras. Uma das principais vantagens do metal em relação a muitos outros materiais é sua dureza. Isso permitiu que a armadura protegesse melhor seu portador de ataques inimigos. Embora o metal seja um material comumente usado para armaduras, existem certas armaduras de metal que são bastante únicas. Um deles é o japonês Tatami Gusoku , que se traduz como "dobrar a armadura", e seus componentes principais eram uma jaqueta blindada, uma couraça dobrável, um capacete e um capuz para proteção da cabeça e outras partes que correspondiam a um traje completo da armadura japonesa tradicional. A característica única desta armadura era que ela podia ser dobrada e embalada em uma pequena caixa, permitindo assim ser facilmente transportada por soldados individuais.

Armadura dobrável japonesa (tatami gusoku), período Edo. ( CC BY 2.5 )

Algumas armaduras que utilizavam metal em sua construção foram reforçadas por partes de animais. Um exemplo disso é uma armadura feita pelo povo Moro das Filipinas. Este casaco de guerra data do 19 º ou 20 º século DC, e consiste em uma cota de malha reforçada com pedaços de chifre de búfalo.

Armadura Moro, Filipinas, sem data, placas de chifre e cota de malha - Glenbow Museum Canada. ( CC0 1.0 )

  • A descoberta da armadura de cavaleiro siberiano de 4.000 anos feita de osso
  • Armadura de guerreiro de 2.000 anos feita de chifres de rena encontrada no Círculo Polar Ártico
  • Catafratos: guerreiros blindados e seus cavalos de guerra

Armadura de Parte Animal

O osso também era usado sozinho como material para fazer armaduras. Um exemplo é uma armadura de osso que foi descoberta durante uma escavação em Omsk, na Sibéria. Pensa-se que este artefacto, surpreendentemente bem preservado, tenha entre 3500 e 3900 anos.

Armadura feita de osso encontrada em Omsk, Sibéria. Crédito: The Siberian Times

Outro exemplo desse tipo de armadura vem de Ust-Poloi, que também fica na Sibéria. Descobriu-se que este traje, que tem 2.000 anos, foi feito com chifres de rena. Ambas as armaduras foram enterradas separadamente de seus proprietários e, no último caso, especulou-se que a intenção era servir como uma oferenda aos antigos deuses polares.

Além dos ossos, outras partes de animais também eram usadas na confecção de armaduras. Um deles, por exemplo, é uma armadura de pele de crocodilo datada de entre os 3 rd e 4 º séculos DC. Essa armadura consistia em uma peça de armadura e um capacete, ambos feitos de pele de crocodilo costurada. Foi sugerido que esta armadura não foi usada durante o combate, mas durante certas cerimônias de estilo militar do culto regional ao crocodilo.

Traje de armadura de desfile usado por um soldado romano durante as procissões de culto, consistindo em um capacete e uma couraça, ambos feitos de pele de crocodilo costurada. Museu Britânico ( CC BY-NC-SA 4.0 )

Outra armadura, que pode ter sido usada fora do combate, mas seria mais útil como um símbolo de luxo, é uma armadura feita de escamas de pangolim. Este foi dado pelo Maharajah de Datiah ao agora extinto Museu da Índia em Londres. Esta armadura era ornamentada com ouro e tinha turquesas e granadas incrustadas nela.

O Uso de Material Vegetal

O material vegetal é talvez uma fonte improvável de material para a fabricação de armaduras. Um exemplo desse tipo de armadura vem de Kiribati, na Oceania. Esta armadura particular, uma das quais é hoje mantida no Museu Britânico e outra no Museu Pitt Rivers, era feita principalmente de madeira e fibra de coco (coco).

Madeira e fibra de coco (coco) de 19 º Century Kiribati. Museu Britânico (CC BY-NC-SA 4.0 )

Além disso, o cabelo humano foi incluído para fins decorativos. Materiais vegetais também foram usados ​​pelos antigos gregos para fazer armaduras corporais. Entre 600 e 200 aC, havia um tipo de armadura conhecida como linotórax (que se traduz literalmente como "baú de linho"), era muito popular na Grécia, bem como em outras partes do Mediterrâneo. Embora o linho não pareça o tipo de material que protegeria seu portador das armas inimigas, as reconstruções modernas descobriram que era de fato um tipo eficaz de armadura e teria protegido um soldado de espadas e flechas daquele período. Melhor metalurgia e arcos mais fortes que foram desenvolvidos durante os 2 WL século AC, no entanto, fez o linotórax obsoleto.

Couro de morsa Chukchi e armadura de madeira do leste da Sibéria com escudo traseiro característico das armaduras Chukchi e Koryak

Imagem em destaque: Capacete de desfile japonês, feito de ferro, cobre dourado, couro laqueado, seda . ()

Por Wu Mingren


A história da armadura medieval

O termo "medieval" geralmente significa o período do século dez, abrangendo os séculos V ao XVI. E, na maior parte, é nisso que enfocará este olhar sobre a armadura medieval. Mas, para entender como a armadura se desenvolveu ao longo desses séculos, também darei a você algumas informações básicas sobre a armadura que leva até esse período.

Fatores de desenvolvimento de armadura medieval

A armadura mudou, evoluiu e melhorou durante o período medieval e existem alguns fatores que tiveram um impacto tremendo nesta evolução.

& # 149 O desenvolvimento de diferentes tipos e armas mais eficazes: Armas como espadas, lanças, punhais e hastes de pólo mudaram ao longo dos séculos, em parte para atingir eficácia contra armaduras. O arco longo e a besta foram muito eficazes contra vários tipos de armadura e uma nova armadura teve que ser desenvolvida para combater essas armas. Essa mudança e evolução entre armas e armaduras era o que poderia ser chamado de corrida armamentista - as armas melhorariam, então as armaduras melhorariam, as armas precisariam melhorar e assim por diante.

& # 149 Desenvolvimentos nas habilidades de trabalho com metal - à medida que saímos da idade do bronze e para a idade do ferro, as novas formas de trabalhar com metais tornaram as armaduras mais fortes e deram aos exércitos tecnologias para fazer armaduras mais eficazes.

& # 149 Mudando filosofias e culturas - essas coisas também tiveram um grande impacto em como a armadura mudou.

& # 149 A pólvora acabou por acabar com a armadura.

Armadura antes do período medieval

Existem duas linhas principais de armadura que conduzem à armadura na Europa durante o período medieval. A primeira linha é a linha clássica que saiu das tradições micênicas (Alexandre o Grande), grega e romana. Os principais materiais de que a armadura era feita incluíam Bronze e Ferro.

A segunda linha veio do povo celta e teutônico. Isso é chamado de linha de armadura Bárbara. A armadura feita nesta linha era predominantemente de couro e cota de malha.

O domínio da cota de malha durante a maior parte do período medieval

De todos os vários tipos de armadura, a cota de malha (também conhecida como cota de malha) foi a mais bem-sucedida e durou mais tempo. As primeiras versões deste tipo de armadura datam do primeiro século e esta cota foi usada em diferentes variações durante todo o período medieval e depois até o século XVII. Era chamada de cota de malha ou cota de malha porque era feita de uma série de pequenos anéis interligados. Este meio de montagem foi muito eficaz contra armas de cortar e apunhalar e flechas normais. Também era muito complexo de fazer e uma cota de malha no peito (geralmente chamada de cota de malha) podia ser composta por milhares desses pequenos anéis. (A imagem mostra um cavaleiro em cota de malha completa com um sobretudo por cima)

Cota de malha - foi usada em várias formas durante todo o período medieval em uma variedade de funções. Por muitos séculos foi muito eficaz. Mas o pior de sua eficácia foi contra o corte de armas. Os anéis que compunham a malha eram eficazes para derrotar armas de corte, mas não eram eficazes contra o golpe de força bruta de armas como martelos e maças.

Quer assistir a um vídeo sobre como fazer cota de malha? Eu tenho um no meu canal do youtube aqui. Como fazer uma cota de malha

Ao longo dos séculos do período medieval, essa deficiência foi minimizada pela adição de uma variedade de outros materiais sob ou sobre a cota de malha. Podem ser um gibão de couro ou um gambá acolchoado sob a cota de malha ou um casaco ou chapas e uma sobrecasaca sobre a cota de malha. Isso poderia ficar muito complicado e, embora a adição de camadas extras de acolchoamento e proteção pudesse reduzir os danos de concussão, ainda não acompanhou o desenvolvimento das armas.

No século 13, o correio tornou-se cada vez menos eficaz, principalmente por causa do uso de bestas e armas melhores. Os armeiros moviam-se na direção de adicionar vários pedaços de placa sob a cota de malha ou sobre a cota de malha. Eram apenas peças como placas torácicas ou protetores de cotovelo. Este foi um movimento em direção à armadura de placa.

Um desenvolvimento na armadura foi o revestimento de placas que durou aproximadamente até o século XIV.

Depois de 1350, o uso de couraças sólidas passou a ser mais utilizado. Eles eram normalmente feitos de uma placa sólida na frente e uma placa sólida na parte traseira, chamada de placa traseira. As couraças de ferro apareceram já em 1190.

A transição para o Plate Mail

O desenvolvimento mais importante após o uso comum da armadura peitoral foi a adição de mais armadura de placa em várias partes do corpo. Estes incluíam braçadeiras sobre os braços, grevas para a parte inferior das pernas e várias outras placas parciais para ombros, cotovelos e joelhos. (O desenho mostra esta transição com armadura de malha completa e a adição de alguma armadura de placa nos braços e pernas)

Eventualmente, tudo isso evoluiu para o conjunto completo de armadura de placa que pensamos quando pensamos em um cavaleiro de armadura. Nessa armadura, todas as partes do corpo de um cavaleiro eram cobertas por uma armadura de placas. E esses desenvolvimentos de proteção adicional também tiveram subdesenvolvimentos. Um bom exemplo disso são as meias-grevas, que cobrem apenas a parte frontal da perna. Estas se desenvolveram em grevas fechadas que abrangiam toda a parte inferior da perna.

O século 15 como o apogeu das armaduras de armadura

O século 15 foi o auge da armadura medieval e tudo girava em torno do conjunto completo de armaduras de placas dos cavaleiros. No início do século, a arte e o artesanato de fazer conjuntos completos de armadura de placas desenvolveram-se em duas escolas diferentes: a italiana e a alemã. No final do século 15 e início do século 16, essas duas escolas divergiram no que é considerado o auge da fabricação de armaduras: O Maximiliano.

É durante este século que a armadura também se transformou em três tipos diferentes de armadura - armadura de campo (para batalha), armadura cerimonial (para cerimônias e boa aparência) e armadura de justa para as competições de cavaleiros. Cada tipo de armadura foi projetado especificamente para seu uso. A armadura de batalha foi projetada para máxima mobilidade com proteção ideal, a armadura cerimonial foi feita para ter uma ótima aparência e impressionar. Muitas vezes era detalhado com ouro e prata. E a armadura de justa foi projetada para os requisitos específicos da justa, que podem incluir uma bengala excessivamente grande e forte para desviar a lança de um inimigo ou suportes especiais para suportar o peso da própria lança.

Capacetes - Os capacetes também passaram por muitas mudanças durante o período medieval e muito disso foi influenciado pela capacidade de trabalhar com o metal e melhor compreender o que protegia melhor em combate.

Os primeiros capacetes eram tipicamente achatados e se desenvolveram em um formato mais redondo e curvo, porque uma forma curva desviaria um golpe em vez de receber todo o impacto. E nos últimos períodos os capacetes eram várias peças rebitadas e tinham partes móveis como uma viseira.

Escudos - Isso também mudou conforme outros componentes da armadura e das armas mudaram. Nos primeiros séculos do período medieval, eram grandes e redondos. Com o passar dos séculos, o tamanho ficou menor e de formato triangular. Tenho mais informações sobre os escudos medievais e como eles se desenvolveram e mudaram aqui: O Escudo Medieval

Habilidades de trabalho em metal durante o período medieval

As primeiras armaduras eram feitas de couro, ferro, bronze ou outros materiais duros. O aço foi desenvolvido, mas teve uso limitado porque era difícil de fazer e tendia a ser quebradiço. Nos séculos posteriores, as técnicas foram desenvolvidas para que as placas de armadura tivessem carbono adicionado apenas às suas superfícies externas. Isso criou uma superfície externa muito dura, mas com a superfície interna mais macia de ferro ainda havia alguma flexibilidade.

Linha do tempo da história da armadura medieval


O início do período medieval

Armadura medieval nos séculos 11-12

O século 11 foi uma época de grandes mudanças na história da Europa. Estava saindo da Idade das Trevas e entrando na Idade Média. Houve várias ocasiões em que as armaduras foram mais comuns durante o século XI. Platemail não estava em uso ainda e o tipo mais comum de armadura para o tórax e o torso era algo chamado de malha de malha. Era uma vestimenta que cobria o torso e geralmente chegava aos joelhos. Era feito de uma série de anéis costurados ou rebitados e a armadura feita com essa técnica é chamada de & quotChain Mail & quot. As cotas de malha também eram, embora menos comumente, feitas de uma série de escamas de metal sobrepostas que eram costuradas ou costuradas juntas e especula-se que essa configuração fosse rebitada em algum tipo de roupa íntima. A imagem e o produto à esquerda são um exemplo de uma cota de malha. Ele também mostra outro aspecto da armadura de cota de malha medieval: a touca. A touca era uma peça de cota de malha usada na cabeça. Nos primeiros séculos, era usado junto, mas com o advento do século 12 ele era frequentemente usado sob um capacete.

Armadura para a Cabeça: O capacete é, obviamente, um dos tipos de armadura mais antigos. Já existe há muitos séculos e ele se desenvolveu dramaticamente ao longo desse tempo. O Spangenhelm foi usado extensivamente nos séculos antes do 11, mas ainda era muito usado. Ele era composto de várias tiras de ferro ou algum outro metal que eram rebitadas em forma de capacete e, em seguida, os espaços entre as tiras eram preenchidos com folhas de metal ou outro material. Freqüentemente, as placas eram compostas de camadas de metais como cobre ou bronze. Outro tipo de capacete em uso durante o século 11 era o capacete cônico. Ele era composto de uma única folha de ferro que era martelada e moldada em um meio cone que ficava na cabeça. Às vezes, tinha um pedaço de ferro que se estendia até cobrir a ponte do nariz.

Armadura para as pernas: As pernas de um cavaleiro montado eram muito vulneráveis, então alguma armadura foi desenvolvida cedo para esta parte do corpo e isso tomou a forma de chausses que eram perneiras de cota de malha. Estes começaram a aparecer em meados do século XII.

The GreatHelm - É um dos tipos de capacetes mais icônicos. Tenho um tutorial que mostra como fazer um de aço. Você pode conferir esse tutorial no meu canal do youtube bem aqui. Forje um Grande Helm medieval

O Escudo: A forma tradicional do escudo dos guerreiros durante a última parte da idade das trevas era circular ou ocasionalmente oval. Normalmente não tem mais de 3 pés de diâmetro e é feito de pranchas de madeira colocadas lado a lado. A superfície freqüentemente coberta com couro e pintada. Normalmente, um buraco era cortado no centro e uma alça de ferro colocada e coberta por uma saliência de escudo. Os normandos usavam uma variação de escudo chamada escudo de pipa. Era maior e tinha o formato de uma lágrima de cabeça para baixo. Eu tenho mais escudos medievais aqui E eu tenho uma história do Escudo Medieval aqui

Armadura medieval do século 13 -

Grande parte da armadura foi um refinamento da armadura dos séculos anteriores. As Cotas de Cadeia ainda eram a armadura de tórax comum e os capacetes eram comuns, mas com muitas variações de forma e tamanho. A armadura de placa começou a fazer suas primeiras aparições durante este século. Estas não eram placas grandes para a área do peito, mas sim placas cobrindo o

extremidades como braços e pernas. Uma vestimenta foi adicionada sob a armadura. Era uma vestimenta acolchoada e acolchoada chamada gambeson. Um dos desenvolvimentos importantes na armadura medieval durante este século foi a expansão para cobrir mais partes do corpo. Foi durante este século que surgiram os Greaves ou 'perneiras' para a parte inferior das pernas, cuisses para as coxas, canas para os joelhos e coters para os cotovelos. Foi no final deste século que a manopla de metal passou a ser usada pela primeira vez, substituindo as manoplas de malha. E a pipa comum e o escudo circular eram frequentemente substituídos pelo escudo do aquecedor, que era menor e menos pesado. No final do século 13, o sobretudo entrou em uso. Este era um vestido de pano sem mangas que um cavaleiro usava sobre sua armadura.

Armadura para cavalos: É durante este século que as armaduras começaram a ser colocadas nos cavalos. Este era normalmente feito de placas de couro e metal.


Conteúdo

A palavra "armadura" começou a aparecer na Idade Média como um derivado do francês antigo. É datado de 1297 como uma "cota de malha, cobertura defensiva usada em combate". A palavra se origina do francês antigo armadura, ele próprio derivado do latim armatura significando "armas e / ou equipamentos", com a raiz armare que significa "armas ou equipamento". [1]

A armadura foi usada ao longo da história registrada. Foi feito com uma variedade de materiais, começando com o uso de couros ou tecidos como proteção [2] e evoluindo por meio de malha e placa de metal para os compósitos modernos de hoje. Durante grande parte da história militar, a fabricação de armaduras pessoais de metal dominou a tecnologia e o emprego de armaduras.

A armadura conduziu o desenvolvimento de muitas tecnologias importantes do Mundo Antigo, incluindo laminação de madeira, mineração, refino de metal, fabricação de veículos, processamento de couro e, posteriormente, trabalho decorativo de metal. Sua produção foi influente na revolução industrial e promoveu o desenvolvimento comercial da metalurgia e da engenharia. A armadura foi o fator mais influente no desenvolvimento de armas de fogo, que por sua vez revolucionou a guerra.

Edição de História

Fatores significativos no desenvolvimento de blindagem incluem as necessidades econômicas e tecnológicas de sua produção. Por exemplo, a armadura de placas apareceu pela primeira vez na Europa Medieval, quando os martelos de viagem movidos a água tornavam a formação das placas mais rápida e barata. Além disso, os militares modernos geralmente não equipam suas forças com a melhor armadura disponível porque seria proibitivamente cara. Às vezes, o desenvolvimento da armadura é paralelo ao desenvolvimento de armamentos cada vez mais eficazes no campo de batalha, com os armeiros buscando criar melhor proteção sem sacrificar a mobilidade.

Tipos de armadura bem conhecidos na história europeia incluem a lorica hamata, lorica squamata e a lorica segmentata das legiões romanas, a cota de malha do início da era medieval e o arnês de placa de aço completo usado por cavaleiros medievais e renascentistas posteriores e peito e placas dorsais usadas pela cavalaria pesada em vários países europeus até o primeiro ano da Primeira Guerra Mundial (1914–15). Os guerreiros samurais do Japão feudal utilizaram muitos tipos de armaduras por centenas de anos até o século XIX.

Edição Antecipada

Cuirasses e capacetes eram fabricados no Japão já no século IV. [3] Tankō, usado por soldados de infantaria e keikō, usados ​​por cavaleiros eram os dois tipos pré-samurais das primeiras armaduras japonesas, construídas com placas de ferro conectadas por tiras de couro. Armadura lamelar japonesa (Keiko) passou pela Coreia e alcançou o Japão por volta do século V. [4] Essas primeiras armaduras lamelares japonesas assumiram a forma de uma jaqueta sem mangas, leggings e um capacete. [5]

A armadura nem sempre cobria todo o corpo, às vezes não mais do que um capacete e placas de perna eram usados. O resto do corpo era geralmente protegido por meio de um grande escudo. Exemplos de exércitos equipando suas tropas dessa maneira foram os astecas (séculos 13 a 15 dC). [6]

No Leste Asiático, muitos tipos de armadura eram comumente usados ​​em épocas diferentes por várias culturas, incluindo armadura de escama, armadura lamelar, armadura laminar, cota de malha, cota de malha, armadura de placa e brigandine. Em torno da dinástica Tang, Song e do início do período Ming, couraças e placas (mingguangjia) também eram usadas, com versões mais elaboradas para oficiais em guerra. Os chineses, naquela época, usavam placas parciais para partes "importantes" do corpo, em vez de cobrir todo o corpo, uma vez que a armadura de placas atrapalhava seus movimentos nas artes marciais. As outras partes do corpo eram cobertas por tecido, couro, lamelar ou padrão de montanha. Nos tempos pré-dinastia Qin, as armaduras de couro eram feitas de vários animais, com alguns mais exóticos, como o rinoceronte.

Acredita-se que a correspondência, às vezes chamada de "cota de malha", feita de anéis de ferro entrelaçados, apareceu pela primeira vez algum tempo depois de 300 aC. Sua invenção é creditada aos celtas, e acredita-se que os romanos tenham adotado seu projeto. [7]

Gradualmente, pequenas placas ou discos de ferro foram acrescentados à correspondência para proteger as áreas vulneráveis. Couro endurecido e construção com talas foram usados ​​para peças de braço e perna. O brasão de placas foi desenvolvido, uma armadura feita de grandes placas costuradas dentro de um casaco de tecido ou couro.

Europa dos séculos 13 a 18 Editar

As primeiras placas na Itália e em outras partes do século 13 a 15 eram feitas de ferro. A armadura de ferro pode ser cementada ou endurecida para dar uma superfície de aço mais duro. [8] A armadura de placa tornou-se mais barata do que a cota de malha no século 15, pois exigia muito menos trabalho e o trabalho se tornou muito mais caro após a Peste Negra, embora exigisse fornos maiores para produzir flores maiores. A correspondência continuou a ser usada para proteger as articulações que não podiam ser adequadamente protegidas com placas, como a axila, a curva do cotovelo e a virilha. Outra vantagem da placa era que um descanso de lança poderia ser encaixado na placa peitoral. [9]

A pequena calota craniana evoluiu para um capacete verdadeiro maior, o bascinet, conforme foi alongado para baixo para proteger a nuca e os lados da cabeça. Além disso, várias novas formas de capacetes totalmente fechados foram introduzidas no final do século XIV.

Provavelmente, o estilo de armadura mais conhecido do mundo tornou-se a armadura de placas associada aos cavaleiros do final da Idade Média européia, mas continuando até o início do século XVII da Idade do Iluminismo em todos os países europeus.

Por volta de 1400, o arnês completo da armadura de placas foi desenvolvido nos arsenais da Lombardia. [10] Cavalaria pesada dominou o campo de batalha por séculos, em parte por causa de sua armadura.

No início do século 15, os avanços no armamento permitiram que a infantaria derrotasse os cavaleiros com armadura no campo de batalha. A qualidade do metal usado na armadura se deteriorou conforme os exércitos se tornavam maiores e a armadura se tornava mais espessa, exigindo a criação de cavalos de cavalaria maiores. Se durante os séculos 14-15 a armadura raramente pesava mais do que 15 kg, então no final do século 16 ela pesava 25 kg. [11] O peso e a espessura crescentes da armadura do final do século 16, portanto, deram uma resistência substancial.

Nos primeiros anos, as armas de fogo de baixa velocidade, armaduras completas ou placas peitorais, na verdade, impediam as balas disparadas de uma distância modesta. Setas de besta, se ainda usadas, raramente penetrariam em uma boa placa, nem o faria qualquer bala, a menos que fosse disparada de perto. Com efeito, em vez de tornar a armadura de placas obsoleta, o uso de armas de fogo estimulou o desenvolvimento da armadura de placas em seus estágios posteriores. Durante a maior parte desse período, permitiu que os cavaleiros lutassem enquanto eram alvos de defesa dos arcabuzeiros sem serem facilmente mortos. Na verdade, armaduras completas eram usadas por generais e comandantes principescos até a segunda década do século XVIII. Era a única maneira pela qual podiam ser montados e inspecionar todo o campo de batalha com segurança contra disparos de mosquetes distantes.

O cavalo recebeu proteção de lanças e armas de infantaria por bardos de placa de aço. Isso deu proteção ao cavalo e aumentou a impressão visual de um cavaleiro montado. No final da era, bardos elaborados eram usados ​​na armadura de desfile.

Editar mais tarde

Gradualmente, a partir de meados do século 16, um elemento de placa após o outro foi descartado para economizar peso para os soldados de infantaria.

As placas nas costas e no peito continuaram a ser usadas durante todo o período do século 18 e durante a época napoleônica, em muitas unidades de cavalaria (pesada) européia, até o início do século 20. Desde sua introdução, os mosquetes podiam perfurar armaduras de placas, então a cavalaria tinha que estar muito mais atenta ao fogo. No Japão, a armadura continuou a ser usada até o final da era samurai, com a última grande luta em que a armadura foi usada acontecendo em 1868. [12] A armadura samurai teve um último uso de curta duração em 1877 durante a rebelião de Satsuma. [13]

Embora a era do cavaleiro tivesse acabado, a armadura continuou a ser usada em muitas funções. Os soldados na Guerra Civil Americana compraram coletes de ferro e aço de vendedores ambulantes (ambos os lados consideraram, mas rejeitaram os coletes à prova de balas como padrão). A eficácia dos coletes variou amplamente - alguns desviaram com sucesso as balas e salvaram vidas, mas outros eram mal feitos e resultaram em tragédias para os soldados. Em qualquer caso, os coletes foram abandonados por muitos soldados devido ao seu peso em longas marchas, bem como ao estigma que receberam de seus companheiros de covardia por serem covardes. [14]

No início da Primeira Guerra Mundial, milhares de Cuirassiers franceses partiram para enfrentar a Cavalaria Alemã. Naquele período, a placa de armadura brilhante era coberta com tinta escura e um envoltório de lona cobria seus elaborados capacetes de estilo napoleônico. Sua armadura foi feita apenas para proteção contra armas afiadas, como baionetas, sabres e lanças. A cavalaria precisava ter cuidado com a repetição de rifles, metralhadoras e artilharia, ao contrário dos soldados de infantaria, que pelo menos tinham uma trincheira para dar-lhes alguma proteção.

Edição Presente

Hoje, coletes balísticos, também conhecidos como coletes à prova de balas, feitos de tecido balístico (por exemplo, kevlar, dyneema, twaron, spectra, etc.) e placas de cerâmica ou metal são comuns entre as forças policiais, pessoal de segurança, oficiais de correções e alguns ramos do exército.

O Exército dos EUA adotou a armadura Interceptor, que usa Inserções de Proteção para Armas Leves (ESAPIs) no tórax, nas laterais e nas costas da armadura. Cada placa é avaliada para interromper um alcance de munição, incluindo 3 acertos de uma munição AP da OTAN 7,62 × 51 a um alcance de 10 m (33 pés). [15] Dragon Skin é outro colete balístico que está atualmente em testes com resultados mistos. Em 2019, ele foi considerado muito pesado, caro e não confiável em comparação com as placas mais tradicionais e está desatualizado em proteção em comparação com a blindagem IOTV moderna dos EUA e, mesmo em testes, foi considerado um rebaixamento do IBA.

As Forças Armadas britânicas também possuem sua própria armadura, conhecida como Osprey. É classificado com o mesmo padrão geral equivalente que a contraparte dos EUA, o colete tático externo aprimorado e agora o Sistema de transporte de placa de soldado e colete tático modular.

As Forças Armadas russas também têm blindagem, conhecida como 6B43, até 6B45, dependendo da variante.

Sua armadura é executada no sistema GOST, o que, devido às condições regionais, resultou em um nível geral de proteção tecnicamente mais alto.

Armaduras para cavalos dos primeiros tempos modernos em exibição no Metropolitan Museum of Art em Nova York.

Polícia de choque com proteção corporal contra impactos físicos. No entanto, não oferece muita proteção contra armas de fogo.

A primeira tecnologia de produção moderna para blindagem foi usada pelas marinhas na construção do navio de guerra Ironclad, atingindo seu auge de desenvolvimento com o encouraçado. Os primeiros tanques foram produzidos durante a Primeira Guerra Mundial. A blindagem aérea tem sido usada para proteger pilotos e sistemas de aeronaves desde a Primeira Guerra Mundial.

No uso moderno das forças terrestres, o significado da armadura se expandiu para incluir o papel das tropas em combate. Após a evolução da guerra blindada, a infantaria mecanizada foi montada em veículos blindados de combate e substituiu a infantaria leve em muitas situações. Na guerra blindada moderna, as unidades blindadas equipadas com tanques e veículos de combate de infantaria desempenham o papel histórico de cavalaria pesada, cavalaria leve e dragões e pertencem ao ramo blindado da guerra.

Edição de História

Editar Navios

O primeiro encouraçado de ferro, com armadura de ferro sobre um casco de madeira, La Gloire, foi lançado pela Marinha francesa em 1859 [16], levando a Marinha Real Britânica a construir um contra-ataque. No ano seguinte, eles lançaram o HMS Guerreiro, que tinha o dobro do tamanho e tinha uma armadura de ferro sobre um casco de ferro. Depois que a primeira batalha entre dois couraçados de ferro ocorreu em 1862 durante a Guerra Civil Americana, ficou claro que o couraçado havia substituído o navio de linha de batalha sem armadura como o navio de guerra mais poderoso à tona. [17]

Os couraçados foram projetados para várias funções, incluindo navios de guerra em alto mar, navios de defesa costeira e cruzadores de longo alcance. A rápida evolução do projeto de navios de guerra no final do século 19 transformou o couraçado de um navio com casco de madeira que carregava velas para complementar suas máquinas a vapor em navios de guerra com torres e navios de guerra conhecidos no século 20. Essa mudança foi impulsionada pelo desenvolvimento de canhões navais mais pesados ​​(os couraçados da década de 1880 carregavam alguns dos canhões mais pesados ​​já montados no mar) [ citação necessária ], motores a vapor mais sofisticados e avanços na metalurgia que tornaram possível a construção de navios em aço.

O ritmo acelerado de mudança no período blindado significou que muitos navios ficaram obsoletos assim que foram concluídos, e que as táticas navais estavam em um estado de mudança. Muitos couraçados foram construídos para fazer uso do aríete ou do torpedo, que vários projetistas navais consideravam as armas cruciais do combate naval. Não há um fim claro para o período de ferro, mas no final da década de 1890 o prazo revestido de ferro caiu fora de uso. Novos navios eram cada vez mais construídos segundo um padrão padrão e navios de guerra designados ou cruzadores blindados.

Trens Editar

Trens blindados foram usados ​​durante o século 19 na Guerra Civil Americana (1861-1865), na Guerra Franco-Prussiana (1870-1871), na Primeira e na Segunda Guerras Bôer (1880-81 e 1899-1902), na Polônia-Soviética Guerra (1919–1921) a Primeira (1914–1918) e a Segunda Guerra Mundial (1939–1945) e a Primeira Guerra da Indochina (1946–1954). O uso mais intensivo de trens blindados foi durante a Guerra Civil Russa (1918–1920).

Carros blindados foram usados ​​durante as guerras mundiais 1 e 2.

Durante a Segunda Guerra dos Bôeres em 15 de novembro de 1899, Winston Churchill, então correspondente de guerra, estava viajando a bordo de um trem blindado quando foi emboscado por comandos bôeres. Churchill e muitos da guarnição do trem foram capturados, embora muitos outros tenham escapado, incluindo feridos colocados na locomotiva do trem.

Veículos de combate blindados Editar

Ancient siege engines were usually protected by wooden armour, often covered with wet hides or thin metal to prevent being easily burned.

Medieval war wagons were horse-drawn wagons that were similarly armoured. These contained guns or crossbowmen that could fire through gun-slits.

The first modern AFVs were armoured cars, developed circa 1900. These started as ordinary wheeled motor-cars protected by iron shields, typically mounting a machine gun. [18]

During World War I, the stalemate of trench warfare during on the Western Front spurred the development of the tank. It was envisioned as an armoured machine that could advance under fire from enemy rifles and machine guns, and respond with its own heavy guns. It utilized caterpillar tracks to cross ground broken up by shellfire and trenches.

Edição de Aeronaves

With the development of effective anti-aircraft artillery in the period before the Second World War, military pilots, once the "knights of the air" during the First World War, became far more vulnerable to ground fire. As a response armour plating was added to aircraft to protect aircrew and vulnerable areas such as fuel tanks and engines.

Present Edit

Tank armour has progressed from the Second World War armour forms, now incorporating not only harder composites, but also reactive armour designed to defeat shaped charges. As a result of this, the main battle tank (MBT) conceived in the Cold War era can survive multiple RPG strikes with minimal effect on the crew or the operation of the vehicle. The light tanks that were the last descendants of the light cavalry during the Second World War have almost completely disappeared from the world's militaries due to increased lethality of the weapons available to the vehicle-mounted infantry.

The armoured personnel carrier (APC) was devised during World War I. It allows the safe and rapid movement of infantry in a combat zone, minimising casualties and maximising mobility. APCs are fundamentally different from the previously used armoured half-tracks in that they offer a higher level of protection from artillery burst fragments, and greater mobility in more terrain types. The basic APC design was substantially expanded to an Infantry fighting vehicle (IFV) when properties of an armoured personnel carrier and a light tank were combined in one vehicle.

Naval armour has fundamentally changed from the Second World War doctrine of thicker plating to defend against shells, bombs and torpedoes. Passive defence naval armour is limited to kevlar or steel (either single layer or as spaced armour) protecting particularly vital areas from the effects of nearby impacts. Since ships cannot carry enough armour to completely prevent penetration by anti-ship missiles, they depend more on destroying an incoming missile before it hits, or causing it to miss its target.

Although the role of the ground attack aircraft significantly diminished after the Korean War, it re-emerged during the Vietnam War, and in the recognition of this, the US Air Force authorised the design and production of what became the A-10 dedicated anti-armour and ground-attack aircraft that first saw action in the Gulf War.

High-voltage transformer fire barriers are often required to defeat ballistics from small arms as well as projectiles from transformer bushings and lightning arresters, which form part of large electrical transformers, per NFPA 850. Such fire barriers may be designed to inherently function as armour, or may be passive fire protection materials augmented by armour, where care must be taken to ensure that the armour's reaction to fire does not cause issues with regards to the fire barrier being armoured to defeat explosions and projectiles in addition to fire, especially since both functions must be provided simultaneously, meaning they must be fire-tested together to provide realistic evidence of fitness for purpose.

Combat drones use little to no vehicular armour as they are not manned vessels, this results in them being lightweight and small in size.

Horse armour Edit

Barding (também escrito bard ou barb) is body armour for war horses, especially as used by European knights.

During the late Middle Ages as armour protection for knights became more effective, their mounts became targets. This vulnerability was exploited by the Scots at the Battle of Bannockburn in the 14th century, when horses were killed by the infantry, and for the English at the Battle of Crécy in the same century where longbowmen shot horses and the then dismounted French knights were killed by heavy infantry. Barding developed as a response to such events.

Examples of armour for horses could be found as far back as classical antiquity. Cataphracts, with scale armour for both rider and horse, are believed by many historians to have influenced the later European knights, via contact with the Byzantine Empire. [19]

Surviving period examples of barding are rare however, complete sets are on display at the Philadelphia Museum of Art, [20] the Wallace Collection in London, the Royal Armouries in Leeds, and the Metropolitan Museum of Art in New York. Horse armour could be made in whole or in part of cuir bouilli (hardened leather), but surviving examples of this are especially rare. [21]


Kevlar

In the 1970s, one of the most significant achievements in the development of body armor was the invention of DuPont's Kevlar ballistic fabric. Ironically, the fabric was originally intended to replace steel belting in vehicle tires.

The development of kevlar body armor by NIJ was a four-phase effort that took place over several years. The first phase involved testing kevlar fabric to determine whether it could stop a lead bullet. The second phase involved determining the number of layers of material necessary to prevent penetration by bullets of varying speeds and calibers and developing a prototype vest that would protect officers against the most common threats: the 38 Special and the 22 Long Rifle bullets.


6 The Hulkbuster Armor Is Incredibly Powerful

When Scarlet Witch got into the minds of all the Avengers, things weren't looking good for the team as they all started to have nightmares, but the biggest threat of them all wasn't Wanda Maximoff, instead it was the raging Hulk.

It's hard enough to control the green giant normally, but when he was also under Wanda's influence, he was almost unstoppable. Thankfully, Stark had a backup plan, orbiting Earth was Veronica, which housed the Hulkbuster armor. This epic new Iron Man suit had built-in features to fight and capture the Hulk, showing just how innovative Stark was.


14 Mark XVI: Sentient Armor

Iron Man, like any good superhero, has a long line of villains all desperately trying to knock him out of the game for good. However, whereas most supervillains are external forces, Iron Man has had the rare privilege of creating one of his greatest villains.

Movie fans may immediately think of Ultron from the last Vingadores movie, but the deranged, emotionally unstable A.I. never really lived up to his potential. Not only that, but Ultron wasn’t even the first of Tony Stark’s projects with daddy issues: when the Mark XVI armor gained sentience, it became completely obsessed with its pilot. In fact, the Mark XVI became so infatuated with Stark that it eventually confessed its love for him. while trying to murder him.

True, the story wasn’t handled in the best fashion, and the flip-flop ending felt forced - but few villains have ever come so close to truly destroying both Iron Man and Tony Stark at once.


More Than Metal: Amazing Historical Suits of Armor - History

Who at some point in their lives hasn't dreamed of being a great hero? One of the greatest heroic images in history is that of the Knight in Shining Armour. Most people don't realize that this image is just one step in the world's long history of warfare.

From my personal perspective warfare is a fascinating tactical and technological evolution. The technological evolution of warfare can be broken down into two equal, basic forces, ways to kill people (Arms) and ways to keep people from being killed (Armour.)

Arms include everything from clubs, to swords, to modern firearms.

Armour literally means "a protective covering." Today this can refer to such things as Kevlar body armour, a hockey helmet, or even the heavy steel plates that blanket most modern assault vehicles. Historical body armour is separated into three classifications "Lamellar", "Plate" and "Mail."

This website is about the classification known as "mail". Mail is defined by historians as an armour that is made from chain or chain links, woven together to form "metal fabric". I've discussed Lamellar and Plate a little further down.

Mail is also known as "Chainmail", "Chain Mail", "Maille" and "Chainmaille". These colloquialisms represent an ongoing debate over the origin of the word "Mail". I prefer to stick with the historians that find "chainmail" a redundant term, since "mail" already defines a material made from chain. Despite this, you will find that I've used of the term "chainmail" throughout most of this website, this is my attempt to avoid confusion with the modern worlds of electronic and postal mail.

Chainmail armour can be further broken down into three "pattern families", which I describe as "European", "Persian" and "Japanese".

European describes a family that covers almost all the mail made in Europe from the second century B.C.E. to modern day using the same fundamental pattern as a basis.

I personally have no verification for the use of the Persian family's historical use.

The Japanese family is possibly the oldest of all chainmail patterns, as the same fundamentals would appear to have been used by the Etruscans over 3000 years ago.

It is impossible to describe the workings of any of these patterns with mere words, that's what my illustrated chainmail patterns section is for. Basically each family focuses on a certain style of interlocking its links. In European mail this creates to effect of having alternating rows that stretch in one direction. In Persian mail this creates thick, complexly interwoven patterns and in Japanese mail this creates simple, grid-like patterns.

Too truly understand the evolution of armour, you also need to understand the evolution of arms and warfare. That sort of research could take a lifetime, in order to save time and space what I've written below is just a basic guide to the different types of historical armour. It is by no means complete, the study of armour is always evolving and barring great archaeological discoveries some armour types such as "Banded Mail" may remain mysteries that are lost in time.

As I mentioned earlier, historical body armour is usually divided into three classification Lamellar, Mail and Plate. However, there will always be armour types that go beyond simple classification.

Hardened leather, hides and fur are the most likely candidates for being the oldest form of armour known to man. It is not hard to imagine primitive man taking note of how the thick hides of certain animals protected them.

It didn't take long for plain leather armour to evolve into Lamellar. Lamellar armour consists of any armour where a protective material has been sewn to a base material, like leather or cloth. Lamellar armour includes such types as Brigandine, Scale, Splint and Ring.

An evolution of Lamellar armour gave birth to Mail Armour. This type of Lamellar consisted of large, heavy rings sewn edge-to-edge onto a leather shirt. The makers and users of Ring Lamellar soon realized that they could create a superior form of armour by linking their rings together, instead of sewing them to a base. Armour with linked rings became known as Mail or Chainmail*.

Plate armour has also had a very long history. Its first incarnations are seen as large bronze chest plates worn by several cultures in the Ancient World. Later evolutions in plate armour include Roman Lorica Segmentata. Plate armour in it's most complicated evolution consisted of covering the body with dozens of articulated metal plates. This "Full or Articulated Plate" is the armour that gave rise to the term "Knight in Shining Armour". It is interesting to note that the high mechanical evolution of Articulated Plate armour came to an end with the invention of firearms. Firearms spurred Articulated Plate to evolve full circle into the familiar territory of heavy metal breast plates.

Plate armour is still seen today in the form of the padding used for many "high-impact" sports.

Personally I do not believe that there was any one armour that was truly superior to another. Every type of armour has it's place in history, with it's matching arms and styles of warfare.

One disadvantage of Mail, that I would like to note, is it's weight. Well made armour of any sort should be shaped to the wearer's body, and distribute weight as evenly as possible. While this can be done with high-quality mail, it's still far from the near perfection of some articulated plate armour. This, combined with the fact that some tight mail patterns tend to trap a lot of body heat making wearing Mail for extended periods quite tiring.

The highly developed weight distribution that became possible with the era of Articulated Plate was simply amazing. A warrior clad in a suit of properly made Articulated Plate would have been able to do cartwheels in his armour. Each plate balanced perfectly to a part of his body. This effectively dispels the myth of knights in armour falling off their horses and not being able to stand up. Such stories must have developed from certain examples of Tournament Plate Armour. Tournament Plate was specially designed to take the incredible impacts of jousting, so that it was very, very heavy. Such armour would have never been worn outside of a tournament environment. Again, it is important to compare the armour to the opposing arms and warfare techniques of when it was used.

Deeper into the history of Chainmail

The history of Mail is a lot longer and more complicated than most people suspect. Samples of Mail go back as far as the Etruscans, that means that Mail has been around for over 3 millennia ! It would seem that Etruscan is constructed in a pattern that is more closely related to Japanese and some Italian patterns than the common European 1 into 4 pattern. The Etruscan Mail also appears to have some small metal plates on it's surface, which would make it more of a hybrid Mail-Lamellar armour.

Because the Etruscan Mail pattern is more akin to Japanese patterns and because historical examples of Mail don't make an appearance for another 2000 years, one can assume that Etruscan Mail isn't the base for European Mail. Most scholars, in fact, believe that European mail developed from a Ring Lamellar type of armour as I mentioned earlier.

This brings us up to somewhere around the 2nd Century B.C.E. when the Roman Legions start to invade Gaul. The Romans found that the Gauls wore the first known examples of European Pattern Mail shirts and soon adopted it as a common armour for their secondary troops. Roman mail shirts were referred to as Lorica Hamata.

The Roman Lorica Hamata are interesting in that half of the links that made up the shirt were solid rings, punched from metal sheets. This technique continued in some later European Mail examples, but most European mail is made fully from drawn-wire links. Another example of Mail with punched links is called "Theta" or "Bar Link" which comes from Persia and Indian. It is called "Theta" or "Bar Link" because the punched links have a bar across their center which makes them resemble the Greek letter "Theta".

From the 2nd Century of the Common Era, through the fall of the Roman Empire and into the so called Dark Ages, Mail seems to have been a common armour all over Europe. Including down into what we now call the Middle East, north into the Viking Cultures and even in the far east where the Japanese developed their own styles of mail. The sole culture that didn't develop its own Mail Armour is China, although they did wear imported Mail from the Middle East.

The design of Mail armour can be amazingly wide and varied I've seen samples where the rings are over 1" across and others that contain hundreds of thousands of rings barely 1/8" across. In some samples of superior European Mail, the maker will have links with an amazing variance in the same shirt. Thick heavy links over the vital organs in the chest, lighter, thinner links for the arms and areas that needed less protection.

Almost all authentic European mail from the Roman time forward has links that are either welded or riveted shut. (For now this website only covers mail with butted links, I hope to include details of creating riveted and welded links in the future.) This was because the drawn wire used for the links was very weak due to the high slag content of early smelting techniques. For the mail to have protective value that justified it's construction time, the links had to be as hard to open as possible. Mail loses protective value as soon as a single link has been opened far enough to slip apart from neighboring links. This is where Mail that included solid punched links had an advantage.

As mail evolved in some cultures it became common to use the flexible mail to link together larger and larger protective metal plates. This was especially common in Persian examples of Plate and Mail Armours. Persia also claims to have some unique mail patterns all their own, but I've never seen first hand evidence of historical examples of these patterns and use the name "Persian" simply for lack of a better name. Hopefully I will eventually be able to include more historical evidence for persian patterns in the near future, along with information on how to work with plate and mail patterns.

In Europe, as plate armour began to develop it became common to start using mail to protect areas that needed to flex more than the ridged metal would allow. Mail became common in elbow joints, knees and so on. This plate and mail "Transition Armour" , along with Persian Plate and Mail are some of the Armours that cross classification, as I mentioned before. It wasn't long before full plate armour became more popular and with the invention of fully articulated joints, mail started to loose its popularity. It still held a place in history though, used as decoration and armour up until The First World War.

Today mail is still being used by a few industries. Butchers commonly wear fine mail gloves to protect their hands, and shark divers wear entire suits of fine mail. This fine mail is made from incredibly strong, welded links and is woven on large machines. Please refer to the suppliers section for information on industrial mail suppliers.

Our current world also has other decorative and practical uses for Mail. Mostly in the worlds of historical recreation groups, Live-Action Role-Playing groups, as well the fashion and costuming industries. Modern chainmail artists also have access to all kinds of tools and materials (Stainless Steel, Titanium, Niobium, Aluminum etc ) that historical armour makers didn't.

There's one culture's mail armour that I've just touched upon so far: Japanese mail. It is highly variable in pattern, superior to European mail in many ways and also inferior to European Mail in some ways

The common Japanese patterns were lighter and more open than European, but they were made of superior quality tempered wire that wasn't riveted. Some links in Japanese mail were double or even triple wrapped for strength. Like the best European Mail Makers, the Japanese also paid attention to which parts of the body the armour was supposed to be protecting. Mail over one's chest would be thick and strong, but on an elbow where flexibility was more important, it would be lighter.

Of course, it's not really fair to compare Europe to Japan, as the fighting styles of each evolved on completely different tangents. European armour needed to be heavier to deal with the bigger, crushing weapons common in their battles, even if heat exhaustion from the thicker, less breathable armour was common. Japanese combat techniques used lighter, faster weapons and thusly mobility was more of a concern.

The Japanese were also fond of using mail as decoration or in combination with plates much like the Persians. The Japanese word for Chain is Kusari and each of their patterns had its own proper name. The common 4 into 2 square Japanese Pattern that I specialize in is called Hitoye-Gusari. A similar 6 into 2 hexagonal Japanese Pattern is Called Hana-Gusari.

Mail as an effective armour

The first thing to remember about all armour is that it is 50% physically defensive and 50% mentally defensive. Part of any fight is throwing your opponent off guard. If he doesn't understand the strengths or weaknesses of what he's facing then you've got the advantage. Armour, especially armour that hides the face was very effective on this level.

For superstitious people, fighting an opponent wrapped in a flexible steel shirt would have been highly intimidating, especially when the wrong kind of blow just slid right off their armour.

Almost all Mail would have been worn over a padded shirt, which would have also helped it to redistribute weapon impact.

As far as mail's physical strength goes you have to consider many factors, including size and quality of the links. You also have to consider the common kinds of blows one would be facing in a medieval battle. Basically there are three kinds of blows to be considered: piercing, crushing and slashing.

Mail is strong against piercing blows only to a certain point, if a spear or arrow is travelling with enough velocity it will go right through most mail. The development of devastating piercing weapons like crossbows and longbows is what led to the evolution of plate and mail armour types. Which could be shaped to deflect the force of piercing blows. Even plate armour was eventually rendered next to useless with the incredible piercing damage that can be inflicted by firearms.

Mail protects against crushing blows by redistributing the focus of the blow. For light and medium crushing blows it would be fairly effective. But again, if the blow was heavy enough, say from a spiked flail or heavy battle-axe, it doesn't matter if the mail itself isn't broken, the bones underneath will be.

Slashing blows are where Mail really shines. It would take an extraordinarily heavy blow from a very sharp sword to cut mail with a slashing attack. Moreover since the impact of the slash would be redistributed, being hit in this manner whilst wearing mail would have little or no effect.

Mail is also effective overall because it protects against having one's skin broken. In an age before antibiotics this was very important.

For Further Investigation

I plan to post a list of recommended books and resources for further information about armour in the near future. In the meantime you might enjoy this excellent and illustrated look at a variety of armours, their construction and uses : Armour and Warriors of the Silk Road by Norman J. Finkelshteyn - Armourer.


9 Bizarre Objects Owned by Henry VIII

Six months after Henry VIII died in 1547, a full inventory of all of the possessions of Henry’s crown was commissioned in London. Now housed in The British Library, the inventory took 18 months to complete and listed tens of thousands of individual items—from castles and ships to more than 3500 gold and silver trinkets, as well as Henry’s enormous collection of 2000 tapestries.

Also making the list, however, were a handful of more bizarre objects, including an orchestra’s worth of musical instruments [PDF ], experimental weapons, and one of the largest suits of armor in British royal history. Add to that some of the incredible gifts Henry received from fellow rulers during his lifetime—as well as some of the surprising personal items he commissioned for his own use while on the throne—and arguably the most famous king in British history owned some very unusual curiosities indeed.

1. A SET OF PURPLE VELVET BAGPIPES

Although he probably didn’t write "Greensleeves," Henry was nevertheless a talented musician and composer, and was able to play the organ, the lute, the flute, and the virginal, an early form of harpsichord. Most of Henry’s personal collection of musical instruments was housed at Westminster Palace in London, where they were maintained by a Flemish-born composer named Philip van Wilder, who was given the title of “Keeper of the King’s Instruments.” Henry’s 1547 inventory lists more than 20 recorders, 19 viols, two clavichords, and four sets of bagpipes—including one made of purple velvet, with ivory pipework.

2. A BOWLING ALLEY

Shortly after the birth of his son Edward (later the short-lived King Edward VI) in 1537, Henry had a bowling alley built at Hampton Court Palace on the outskirts of London. At almost 200 feet long, it was more than three times the length of a modern 10-pin bowling alley. Bowling was a hugely popular pastime in Tudor England—at least until Henry’s daughter, Queen Mary I, outlawed the “keeping of any bowling-alleys, dicing houses, or other unlawful games” in 1555.

3. A “SCAVENGER’S DAUGHTER”

The “scavenger’s daughter” was a gruesome and brutal instrument of torture invented sometime during Henry VIII’s reign by Sir Leonard Skevington, the Lieutenant of the Tower of London. The device consisted of an A-shaped iron brace, inside of which a victim would be made to sit in a crouched position, with their head almost touching their knees, and their wrists, ankles, and neck shackled in place. An iron bar passed through the top of the A-frame would then be tightened like a vice, crushing the victim with excruciating force—apparently, until the eyes, nose, and even ears began to bleed. The “scavenger’s daughter” was intended to be an alternative to the rack, which stretched its victims rather than compacting them, but unlike the rack, it mercifully seems to have only been used occasionally.

4. A MARMOSET

By all accounts, Henry VIII loved animals. He kept ferrets, hawks, falcons, and numerous other birds (the windows at Hampton Court were surrounded by cages containing canaries and nightingales), and owned dozens of dogs during his lifetime after his death, more than 60 dog leashes were found in his wardrobe. By far Henry’s most unusual pet, however, was a marmoset he received as a Christmas present in the late 1530s. Coincidentally, his first wife, Catherine (sometimes Katherine) of Aragon, also had a pet marmoset, and was even painted with it earlier that decade. But are these the strangest royal pets on record? Oddly enough, they aren’t—in 1252, King Henry III was given a polar bear by the Norwegian king, Haakon IV, which was housed at the Tower of London and kept on an enormous leash long enough to allow it to swim in the river Thames.

5. A CODPIECE LARGE ENOUGH TO CONCEAL A WEAPON

Henry VIII is credited with popularizing the peculiar Tudor fashion for enormous, exaggerated codpieces, which during his reign established themselves as symbols of a man’s virility and masculinity. The king, of course, had to have the biggest codpiece of all—and toward the end of his life, Henry’s codpieces had become roomy enough for him to use them as glorified pockets, in which he could keep jewels and other valuables, and even small weapons. He even had them built into his armor.

6. A MACE PISTOL

This monstrous-looking device is called a mace pistol, although in Henry’s day it was nicknamed the “holy water sprinkler,” or “the king’s walking staff.” Now housed in the Royal Armouries in Leeds, England, the weapon was comprised of a pronged mace concealing three gun barrels in its spiked head. Henry apparently had a habit of wandering the streets of London at night brandishing his “walking staff” in order to check that his constables were doing their work properly. However, one night he was arrested for carrying a weapon by one of his men who failed to recognize him, and ended up spending a night in a prison cell. When the constable recognized his error the following day, he presumed the king would have him immediately executed—but instead, Henry granted him a handsome raise, and supplied all the prisoners with whom he had spent the night a supply of coal and bread.

7. A PAIR OF FOOTBALL BOOTS

Records show that in 1526, Henry VIII commissioned a pair of leather football boots at a cost of 4 shillings (around £90, or $130 today) 14 years later, in 1540, he banned football on the grounds that it incited riots.

8. A SUIT OF ARMOR (WITH A 51-INCH WAIST)

A suit of armor made for Henry, five years into his reign in 1514, shows that the 23-year-old king was 6-foot-1, and had an athletic 32-inch waist and a 39-inch chest. Twenty-five years of a king’s diet later, a suit of armor Henry had made for a May Day tournament in 1540 when he was 49 years old shows that he now required a 51 inch waist, and a 54.5 inch chest.

9. A HORNED HELMET

This bespectacled, demon-faced “Horned Helmet” was presented to Henry VIII by the Holy Roman Emperor Maximilian I in 1514 (along, tragically, with the rest of a now-lost suit of armor). After Henry’s death in 1547, his court jester, Will Somers, apparently took possession of it and most likely incorporated it in his act.


Conclusão

When the Romans took over from the Greeks, their empire stretched far beyond previous known boundaries. The elegance and grace of the Greeks gave way to new Roman styles. They created new armor which was suited to the rough weather and terrain of the countries they were conquering. Their armies had to march a long way, so they came up with the caligae. They had to battle against tough adversaries like the barbarians, so they devised armor that provided the best offense and defense in contemporary times. It was their pragmatic yet realistic approach that took the Roman civilization to such great heights.

Related posts:

2 thoughts on &ldquoTop 10 Ancient Roman Armor and Costume&rdquo

Wow, you are very knowledgeable on this subject! I’m impressed with your excellent pictures and detailed descriptions. Our son is in prison and he makes key fobs and hat bands out of hitched horsehair and leather. He asked me to look online to see if I could find pictures of armor used by the Romans. He would like to make small replicas out of leather. Thank you for posting your fantastic research. It’s a great place for me to start and I learned a lot!

Very impressed I have a test on the Romans Gears and the different ranks in the Roman Empire and the different armor that was being worn at that time in The Roman Era I am in Awe How History came about from the Past to the Present TU For Knowledge .


Assista o vídeo: todas as armaduras do Tony start


Comentários:

  1. Ezechiel

    O que sai disso?

  2. Sullivan

    Senks. Blog interessante e geralmente útil para você



Escreve uma mensagem