USS Galveston CL-93-CLG 3 - História

USS Galveston CL-93-CLG 3 - História

USS Galveston CL-93-CLG 3

Galveston II

(CL-93: dp. 14.600, 1. 60S'4 ", b. 63'7", dr. 25 ', s. Acima de 30 k; cpl. 1.276, a. 6 6 ", 6 5", 2 de altura mis; cl. Cleveland)

O segundo Galveston (CL-93) foi lançado pela William Cramp & Sons Shipbuilding Co., Philadelphia Pa., Em 22 de abril de 1945: e patrocinado pela Sra. Clark Wallace Thompson. A construção do cruzador foi suspensa quando quase concluída em 24 de junho de 1946; e o casco atribuído ao Grupo Filadélfia da Frota da Reserva do Atlântico. Ela foi reclassificada para CLG-93 em 4 de fevereiro de 1956, depois reclassificada para CLG-3 em 23 de maio de 1957 e comissionada na Filadélfia em 28 de maio de 1958, capitão J B. Colwell no comando.

O navio de guerra partiu da Filadélfia em 30 de junho de 1958 para os testes do construtor em Norfolk, Virgínia, na área de Virginia Capes, que incluíram testes "altamente bem-sucedidos" de seu novo míssil Talos e equipamento de rastreamento. O mortal míssil supersônico superfície-ar Talos pesa quase 3.000 libras, incluindo um motor ramjet de 40.000 cavalos; com um alcance de mais de 65 milhas e é projetado para destruir aeronaves inimigas em grandes altitudes usando uma ogiva convencional ou atômica. Ela terminou o ano com operações na área de Norfolk.

Galveston chegou a San Juan, Porto Rico, em 16 de janeiro de 1959, para operações de treinamento e avaliação nas águas das Índias Ocidentais. Ela disparou com sucesso o primeiro míssil Talos já lançado no mar em 24 de fevereiro de 1959. Considerado pelo almirante Arleigh Burke como "o melhor míssil antiaéreo em qualquer arsenal do mundo", o Talos enviou sua carga em um rastro de chama laranja brilhante. Galveston relatou o tiro "quente, direto e normal" enquanto ela orgulhosamente provava sua capacidade como um dos mais poderosos navios de guerra da moderna Marinha dos Estados Unidos. O cruzador rumou para Norfolk em 17 de março e um período especial de estaleiro no Estaleiro Naval da Filadélfia.

Em julho de 1959, Galveston conduziu testes de reconhecimento e aceitação na área de Virginia Capes, seguidos por um cruzeiro de treinamento de atualização para as águas de Cuba e o teste de seu radar e comunicações em jogos de guerra com a Força Aérea dos EUA. Em 4 de janeiro de 1960, ela partiu de Norfolk para uma visita a Charleston, S.C., e operações na costa da Flórida, Porto Rico e Ilhas Virgens. Ela então foi para sua cidade homônima de Galveston, chegando em 16 de fevereiro para uma apresentação do Serviço de Prata. Retornando a Norfolk, o cruzador descarregou sua munição para testes de choque nas Bahamas, então entrou no Estaleiro Naval da Filadélfia em 25 de março de 1960 por um período de jarda que se estendeu até o outono. Durante esse tempo, o cruzador entreteve mais de 30.000 visitantes. Ela se dirigiu ao Virginia Capes em 24 de outubro de 1960, completando com sucesso sua primeira transferência de míssil no mar.

Em 6 de janeiro de 1961, Galveston partiu de Norfolk para mais avaliações técnicas do Bureau of Naval Weapons de seus sistemas de mísseis Talos, incluindo testes do IV Talos, suas capacidades e potenciais, em áreas ao largo de Jacksonville, Flórida, Porto Rico e Ilhas Virgens. Essas avaliações concluídas em 1º de março, ela partiu de San Juan para um treinamento de atualização e seu teste final de aceitação na Baía de Guantánamo. O cruzador retornou a Norfolk em 9 de abril, mas logo seguiu para Jacksonville, Flórida, onde em 8 de maio ela começou a trabalhar na Força de Avaliação Técnica Operacional, que incluiu testes extensivos de seu sistema de mísseis e muitos disparos de Talos. A eficácia do sistema e da arma foi demonstrada por um novo recorde de longo alcance, bem como por um tiro de salva de dois mísseis. O cruzador de mísseis Talos entreteve mais de 17.000 visitantes em Cabo Canaveral na celebração do fim de semana das Forças Armadas em maio, completando as fases posteriores de seus exercícios de avaliação no Caribe até 21 de julho; em seguida, visitou Bayonne, N.J., onde seu míssil disparou. os radares de controle foram removidos antes da revisão no Estaleiro Naval da Filadélfia (30 de agosto de 1961-23 de julho de 1962). Essa revisão incluiu modificações no sistema de controle de fogo do míssil Talos.

Galveston partiu da Filadélfia em 23 de julho de 1962, cruzou o Canal do Panamá para San Diego, Califórnia; e juntou-se à Cruiser-Destroyer Flotilla 9, U. S. Pacific Fleet, em 24 de agosto de 1962. Ela operou ao longo da Costa Oeste até outubro de 1963, quando navegou para o Pacífico Ocidental como a nau capitânia da flotilha. Durante os 6 meses seguintes, ela operou no Extremo Oriente com a 7ª Frota do Japão, Taiwan e Okinawa. Ela voltou a San Diego em 16 de abril de 1964 e retomou o treinamento na Costa Oeste.

Após uma revisão de 4 meses, de outubro de 1964 a fevereiro de 1965, Galvestonton partiu de San Diego em 4 de junho para operações na costa do Vietnã do Sul. Ela tocou em Subic Bay, Filipinas, em 21 de junho, e então navegou para se juntar à 7ª Frota no Mar da China Meridional. Durante os próximos 5 meses, ela percorreu as águas do sudeste asiático do Golfo da Tailândia ao Golfo de Tonkin, apoiando o esforço americano para repelir a agressão comunista no Vietnã do Sul. Ela forneceu suporte de tiros durante as operações de busca e limpeza em Chu Lai e na Península de Vun Tuong. Além disso, ela forneceu defesa aérea para os porta-aviões da 7ª Frota no Mar da China Meridional e conduziu operações de busca e resgate no Golfo de Tonkin. Ela partiu das Filipinas em 2 de dezembro e chegou a San Diego em 18 de dezembro.

Retomando as operações no início de janeiro de 1966, Galveston operou de San Diego para as ilhas havaianas e ao longo da costa da Califórnia, enquanto mantinha sua tripulação e equipamento em perfeito estado de prontidão. De 31 de julho a 4 de novembro, ela passou por uma revisão de modernização e, em seguida, retomou o treinamento para o restante de 1966. No início de 1967, ela partiu de San Diego para a costa leste, e atualmente está designada para a Frota do Atlântico para tarefas no Atlântico e no Mediterrâneo.


Buscando registro do convés de USS Galveston (CLG-3)

Preciso obter os registros do convés do USS Galveston (CLG-3) de junho de 1965 a dezembro de 1965. Preciso do registro para comprovar minha reclamação ao VA pela exposição ao agente laranja.

Re: Buscando registro de convés de USS Galveston (CLG-3)
Jason Atkinson 29.04.2020 13:07 (в ответ на Frederick Kersey)

Obrigado por postar sua solicitação no History Hub!

Pesquisamos o Catálogo de Arquivos Nacionais e localizamos os Livros de Registro dos Navios e Estações da Marinha dos EUA, 1941 - 1983 nos Registros do Departamento de Pessoal da Marinha (Grupo de Registros 24) que incluem o registro do convés do USS Galveston (CLG-3) para junho 1965 a dezembro de 1965. Os registros do deck que você procura estão fechados para digitalização. Consulte o blog FECHADO - Projeto de digitalização da Marinha dos EUA durante a Guerra do Vietnã e da Guarda Costeira para obter mais informações. Quando esses registros forem reabertos, postaremos uma resposta de acompanhamento. Lamentamos qualquer inconveniente que isso possa causar a você.

Re: Buscando registro de convés de USS Galveston (CLG-3)
Jason Atkinson 21.08.2020 12:34 (в ответ на Frederick Kersey)

USN CL-93 / CLG-3 USS Galveston Far East Cruise 63-4 PATCH

Vendedor: shogunvampires & # x2709 & # xFE0F (2.803) 98,8%, Localização: KOBE, Enviado para: No mundo todo, Item: 164060221797 USN CL-93 / CLG-3 USS Galveston Far East Cruise 63-4 PATCH. Item Descrição do item: USN CL-93 / CLG-3 USS Galveston Far East Cruise 63-4 Tamanho do REMENDO: 6 1/4 pol. X 6 3/4 pol. Condição: novo (não utilizado) Listagens de pré-venda (eu envio depois um leilão em 20

30 dias.) Expedição PACOTE PEQUENO DE AR ​​REGISTADO JAPAN ARREGISTRADO PACOTE pequeno (rastreado e segurado) (8-10 dias para os EUA) O porte do AR REGISTRADO Pequeno PACETAsiaUSA / Canadá / AustráliaEuropaUSD8.00USD8.00USD8.00 Pagamento Paypal somente Por favor, faça um pagamento dentro de 1 semanas depois que você ganhou ou comprou. Outros compradores internacionais de prazo Observação: Os direitos de importação, impostos e taxas não estão incluídas no preço do item ou despesas de envio. Essas cobranças são de responsabilidade do comprador. Por favor, verifique com a alfândega de seu país para determinar quais serão esses custos adicionais antes de licitar / comprar. Essas despesas são normalmente cobradas pela empresa de entrega do frete (remessa) ou quando você coleta o item - não os confunda com despesas de remessa adicionais. Não marcamos os valores das mercadorias abaixo do valor nem marcamos os itens como "presentes" - as regulamentações governamentais dos Estados Unidos e internacionais proíbem tal comportamento. Doença: Novo , Todas as devoluções são aceitas: ReturnsNotAccepted Ver mais


USS Galveston CL-93-CLG 3 - História

O USS Galveston, um cruzador leve classe Cleveland de 10.000 toneladas construído na Filadélfia, Pensilvânia, foi entregue à Marinha em maio de 1946, quando estava quase concluído. Seu equipamento final foi suspenso em junho de 1946 e ela foi transferida para a Frota da Reserva do Atlântico sem ter sido comissionada. Refletindo os planos para convertê-la em um cruzador leve de mísseis guiados, o número do casco de Galveston foi alterado para CLG-93 em fevereiro de 1956. Ela foi novamente redesignada CLG-3 em maio de 1957, enquanto o trabalho de conversão estava em andamento no Estaleiro Naval da Filadélfia. Sua história é continuada na página USS Galveston (CLG-3).

Esta página apresenta todas as visualizações relacionadas ao USS Galveston (CL-93, mais tarde CLG-3) como um cruzador leve e fornece links para outras pessoas dela após a conversão para um cruzador de mísseis guiados.

Se desejar reproduções de resolução mais alta do que as imagens digitais apresentadas aqui, consulte: & quotComo obter reproduções fotográficas. & Quot

Clique na pequena fotografia para obter uma visão ampliada da mesma imagem.

É rebocado do estaleiro Cramp, Filadélfia, Pensilvânia, para o Estaleiro da Marinha da Filadélfia, em 24 de maio de 1946.
O navio foi acondicionado, ainda não totalmente concluído, na Frota de Reserva do Atlântico, pouco depois.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, agora nas coleções dos Arquivos Nacionais.

Imagem online: 98 KB 740 x 605 pixels

As reproduções desta imagem também podem estar disponíveis através do sistema de reprodução fotográfica do Arquivo Nacional.

É rebocado do estaleiro Cramp, Filadélfia, Pensilvânia, para o Estaleiro da Marinha da Filadélfia, em 24 de maio de 1946.
O navio foi acondicionado, ainda não totalmente concluído, na Frota de Reserva do Atlântico, pouco depois.

Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA.

Imagem online: 92 KB 740 x 600 pixels

Patrocinador do navio, Sra. Clark Wallace Thompson, se prepara para o batismo, no estaleiro Cramp, Filadélfia, Pensilvânia, 22 de abril de 1945.

Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA.

Imagem online: 85 KB 740 x 615 pixels

A Sra. Clark Wallace Thompson batiza o navio durante as cerimônias de lançamento no estaleiro Cramp, Filadélfia, Pensilvânia, em 22 de abril de 1945.

Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA.

Imagem online: 116 KB 740 x 615 pixels

Além das imagens apresentadas acima, o Arquivo Nacional parece ter pelo menos uma outra vista do USS Galveston (CL-93). A lista a seguir apresenta esta imagem:

A imagem listada abaixo NÃO faz parte do acervo do Centro Histórico Naval.
NÃO tente obtê-lo usando os procedimentos descritos em nossa página & quotComo obter reproduções fotográficas & quot.

As reproduções desta imagem deverão estar disponíveis no sistema de reprodução fotográfica do Arquivo Nacional para fotos não detidas pelo Centro Histórico Naval.


USS Galveston CL-93-CLG 3 - História

Como parte do programa de construção e conversão de navios do Ano Fiscal de 1956 da Marinha, o cruzador leve Galveston (CL-93), membro da Frota da Reserva do Atlântico desde meados de 1946, foi retirado de & quotmothballs & quot e entregue ao Estaleiro Naval da Filadélfia para reconstrução como um navio de mísseis guiados. Redesignado CLG-93 em fevereiro de 1956, como o trabalho estava começando, ela recebeu seu número de casco difinitive, CLG-3, em maio de 1957. Galveston foi comissionado em maio de 1958 como o primeiro navio da Marinha a transportar o míssil guiado & quotTalos & quot, um longo alcance , e bastante grande, arma antiaérea. O navio foi amplamente modificado, especialmente a ré ou meia-nau, para equipá-lo com carregadores, um lançador e os radares associados a este novo sistema de armas, e seus primeiros três anos de serviço ativo foram em grande parte gastos testando o & quotTalos & quot no mar ao largo do Leste dos EUA Litoral e na região do Caribe.

De meados de 1961 a meados de 1962, Galveston estava de volta às mãos do estaleiro, recebendo novos radares de busca, entre outras modificações. Ela então se transferiu para a Frota do Pacífico e em 1963-1964 fez sua primeira implantação no exterior, uma turnê de meio ano com a Sétima Frota no Extremo Oriente. Seu segundo cruzeiro pelo Pacífico ocidental, em junho-dezembro de 1965, incluiu envolvimento ativo na Guerra do Vietnã, com o cruzador usando suas armas de cinco e seis polegadas para bombardear o inimigo em terra. Ela também forneceu defesa aérea para as Forças Navais que operavam no Golfo de Tonkin e participou de operações de busca e resgate.

No início de 1967, Galveston foi temporariamente enviado de volta ao Atlântico para cumprir um mandato no Mar Mediterrâneo com a Sexta Frota. Esta viagem, em março-agosto de 1967, foi marcada pela curta, mas muito intensa, guerra em junho entre Israel e várias nações árabes. Em setembro, o navio voltou ao Pacífico e cerca de um ano depois iniciou seu terceiro desdobramento da Sétima Frota, que contou com mais serviço de combate na Guerra do Vietnã. Retornando aos EUA em janeiro de 1969, Galveston foi novamente ao Mediterrâneo em maio daquele ano para um cruzeiro que durou até outubro. Mais tarde, voltando para sua base na Costa Oeste, o navio logo começou os preparativos para inativação, levando ao seu descomissionamento em maio de 1970. A segunda estada do USS Galveston na Frota de Reserva durou apenas pouco mais de três anos. Ela foi retirada do Registro de Navios Navais em dezembro de 1973 e vendida para sucateamento em maio de 1975.

Esta página apresenta todas as visões gerais que temos do USS Galveston (CLG-3) após a conversão para um cruzador de mísseis guiados e fornece links para outras imagens sobre suas ações, atividades e disposição.

Se desejar reproduções de resolução mais alta do que as imagens digitais apresentadas aqui, consulte: & quotComo obter reproduções fotográficas. & Quot

Clique na pequena fotografia para obter uma visão ampliada da mesma imagem.

Em curso no mar, 11 de janeiro de 1959.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 76 KB 740 x 605 pixels

Em andamento no mar, por volta do início de 1961.
Esta fotografia era o anexo de uma carta enviada pelo navio em 9 de março de 1961.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 91 KB 740 x 610 pixels

No mar, por volta de 1958-1961, enquanto equipada com seu conjunto original de antenas de radar.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 71 KB 660 x 675 pixels

No mar em outubro de 1963.
Fotografado por PH1 R.M. Moen, do USS Kitty Hawk (CVA-63).
USS Perkins (DD-877) está à distância.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 103 KB 740 x 605 pixels

Vapor no mar, 24 de agosto de 1964.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 94 KB 740 x 605 pixels

Em andamento no Mar Mediterrâneo, 10 de maio de 1967.

Fotografia oficial da Marinha dos Estados Unidos, do acervo do Centro Histórico Naval.

Imagem online: 134 KB 740 x 605 pixels

Em andamento no mar, por volta de 1967.
Esta fotografia foi recebida pelo Centro Fotográfico Naval em junho de 1967.


USS Galveston CL-93-CLG 3 - História

A operação foi conduzida como um assalto de armas combinadas envolvendo unidades terrestres, aéreas e navais. Os fuzileiros navais dos EUA foram implantados por inserção de helicóptero na zona de pouso designada, enquanto um pouso anfíbio foi usado para implantar outros fuzileiros navais.

Ordem de batalha
A operação foi lançada no Dia D 18 de agosto de 1965, envolvendo 5.500 fuzileiros navais. Regimental 2º Batalhão 4º Fuzileiros Navais (2/4), 1º Batalhão, 7º Fuzileiros (1/7) e 3º Batalhão Fuzileiros Navais (3/3), e 3º Batalhão 7º Fuzileiros Navais (3/7) o SLF - permissão concedida pelo Almirante Sharp para usar a Força de Pouso Especial e originalmente um componente de reserva) em um ataque à base vietcongue perto de Van Tuong. O USS Galveston (CLG-3) e o USS Cabildo (LSD-16) da Marinha dos Estados Unidos estavam disponíveis para suporte de fogo naval e o 12º Fuzileiro Naval do 3º Batalhão era a unidade de artilharia de apoio direto. USS Vernon County (LST-1161) embarcou elementos do 3D Batalhão, 3D Marines (Battalion Landing Team) (BLT) 3, sob o comando do Tenente Coronel Joseph E. Muir, USMC, em Chu Lai, e navegou para o sul ao longo da costa até An Thuong , onde ela colocou as tropas em terra em uma fase de & quotStarlite. & quot.

As forças vietcongues compunham o 1º Regimento VC formado pelos 60º e 80º Batalhões VC, a 52ª Companhia VC e uma companhia do 45º Batalhão de Armas VC. A força vietcongue total era de cerca de 1.500 homens e era apoiada por várias unidades de morteiros de elite.


Batalha
Um helicóptero MAG-16 evacua as vítimas, enquanto um tanque da Marinha M48 Patton fica de guarda.
Mike Co., 3/3 foi designado a força de bloqueio e desdobrado em 18 de agosto de 1965 usando LVT-5s para a área operacional. Ao pousar na praia, ele marchou 4 milhas (6,5 km) para estabelecer suas posições de bloqueio. 3/3 fizeram um pouso anfíbio e foram encarregados de conduzir os vietcongues em direção aos fuzileiros navais do 4º batalhão, que deveriam ser içados por helicóptero para três zonas de pouso a oeste de Van Tuong. O sigilo era primordial, e nenhum comandante ou unidade do ARVN foi informado da operação iminente.

Os fuzileiros navais encontraram uma leve resistência ao iniciar o ataque, usando suas submetralhadoras para repelir ocasionais invasores vietcongues. Echo Company, 2/4 avistou vietcongue a céu aberto e convocou fogo de artilharia dos fuzileiros navais do 12º Batalhão do 3º Batalhão. A barragem de artilharia teria matado 90 vietcongues, incluindo várias unidades de morteiros. Hotel Company, 2/4 assaltou o 60º Batalhão VC, que travou uma luta feroz, apenas sendo subjugado quando helicópteros de ataque atacaram sua posição, salpicando-a com foguetes e metralhadoras. Um prisioneiro foi feito e 40 armas foram capturadas. A Companhia da Índia, 3/3 atacou An Cuong após receber fogo pesado da aldeia e perder o comandante da companhia no combate.

A India Company foi ordenada a se juntar às empresas Kilo e Hotel e limpar qualquer oposição, mas foi pega em um fogo cruzado de Nam Yen Dan Hill 30. A Hotel Company estabeleceu um perímetro defensivo e foi avisada para aguardar reforços. Os reforços esperados foram desviados para auxiliar a coluna de suprimentos que foi emboscada a oeste de sua posição. O tiro de rifle sem recuo de 37 mm das posições VC atingiu os 5 LVTs e os 3 tanques de chamas, forçando os fuzileiros navais a montar um resgate. Os fuzileiros navais foram atingidos por tiros intensos de morteiros e fuzis e sofreram 5 mortos e 17 feridos. Eles convocaram artilharia e apoio aéreo para suprimir o morteiro e o fogo automático, os caças F-4 lançando bombas coletivas, resultando em uma avalanche na encosta que eliminou muitos dos esquadrões de rifle e morteiro de ataque.

O envolvimento em desenvolvimento exigiu a implantação da Lima Company, 3/7 do USS Iwo Jima para se juntar à India Company para ajudar a coluna de suprimentos emboscada. Parte da Lima Company foi apanhada numa emboscada em ferradura na tentativa de resgatar um pessoal LVT (amtrac) abatido, 4 fuzileiros navais foram mortos e 10 feridos. Ao cair da noite, os fuzileiros navais se agacharam em posições defensivas. Unidades de reconhecimento de fuzileiros navais de 3/7 desembarcaram durante a noite e o batalhão se preparou para um ataque matinal às posições vietnamitas. Quando eles finalmente atacaram, descobriram que a unidade VC já havia se retirado do cerco durante a noite, embora bolsões de resistência continuassem de outros combatentes vietcongues escondidos em bunkers e cavernas. Os combates cessaram ao anoitecer.


Conteúdo

Talos foi o produto final da Operação Bumblebee, o programa de desenvolvimento de mísseis superfície-ar da Marinha de 16 anos para proteção contra mísseis antinavio guiados, como bombas planadoras Henschel Hs 293, Fritz X e aeronaves kamikaze. [1] O Talos foi o esforço principal por trás do projeto Bumblebee, mas não foi o primeiro míssil que o programa desenvolveu, o RIM-2 Terrier foi o primeiro a entrar em serviço. O Talos foi originalmente designado SAM-N-6, e foi redesignado RIM-8 em 1963. A estrutura da fuselagem foi fabricada pela McDonnell Aircraft em St. Louis. A montagem final foi pela Bendix Missile Systems em Mishawaka, Indiana. As primeiras versões de produção do míssil custavam cerca de $ 155.000 em 1955 ($ 1.443.674,16 em dólares de 2020), porém o preço cairia à medida que Bendix aumentasse a produção. [2]

O Talos viu um uso relativamente limitado devido ao seu grande tamanho e sistema de antena de radar duplo - havia poucos navios que podiam acomodar os grandes mísseis com o radar de orientação de mísseis AN / SPW-2 e a iluminação de alvo AN / SPG-49 e radar de rastreamento. [3] O míssil de 3½ toneladas de 9,9 metros de comprimento era comparável em tamanho a um pequeno avião de caça. [4] O sistema de lançamento de mísseis guiados Talos Mark 7 (GMLS) foi instalado em três Galveston-class cruisers (convertidos Cleveland-class light cruisers) com 16 mísseis em um compartimento de serviço pronto e até 30 mísseis e propulsores em uma área de armazenamento acima do convés principal. USS movido a energia nuclear Long Beach e três Albany-class cruisers (convertidos Baltimorecruzadores pesados) transportavam Sistemas de lançamento de mísseis guiados Mark 12 alimentados por um carregador de 52 cartuchos abaixo do convés principal. [5]

O SAM-N-6b / RIM-8A inicial tinha um alcance efetivo de cerca de 50 nm e uma ogiva convencional. O SAM-N-6bW / RIM-8B era um RIM-8A com uma orientação de terminal de ogiva nuclear foi julgada desnecessária para uma ogiva nuclear, então a antena SARH foi omitida. O SAM-N-6b1 / RIM-8C foi lançado em 1960 e tinha o dobro do alcance e uma ogiva de haste contínua convencional mais eficaz. O RIM-8D era a versão de ogiva nuclear do -8C. O SAM-N-6c / RIM-8E "Unified Talos" tinha uma ogiva que podia ser trocada durante o embarque, eliminando a necessidade de desperdiçar capacidade do carregador carregando variantes dedicadas com ponta nuclear. O RIM-8E também carregava um buscador de terminal de onda contínua aprimorado e tinha um alcance de teto mais alto. Alguns RIM-8Cs foram adaptados com o novo seeker e designados RIM-8F. O RIM-8G e o RIM-8J tiveram mais melhorias no homing do radar e um novo combustível que estendeu o alcance para 130 nm. [6]

As versões terra-ar também estiveram em ação no Vietnã, um total de quatro MiGs sendo abatidos por Chicago e Long Beach. Em 23 de maio de 1968, um Talos disparou do USS Long Beach abateu um MiG vietnamita a um alcance de cerca de 65 milhas. Este foi o primeiro abatimento de uma aeronave hostil por um míssil disparado de um navio. O impacto também destruiu um segundo MiG, que voou entre os destroços. Em setembro de 1968 Long Beach marcou outro MiG destruído em um intervalo de 61 milhas. Em 9 de maio de 1972 Chicago A bateria avançada do Talos matou um MiG de longa distância. [7] O míssil Talos também tinha capacidades superfície a superfície. [8]

O RIM-8H Talos-ARM era um míssil anti-radar para uso contra estações de radar em terra. O teste inicial do RIM-8H foi realizado em 1965, e logo depois foi implantado no Vietnã em Chicago, Cidade de Oklahoma, e Long Beach, atacando os radares SAM do Vietnã do Norte. Cidade de Oklahoma disparou o primeiro tiro de combate RIM-8H bem-sucedido na história da Marinha dos EUA no início de 1972. Foi também o primeiro tiro de míssil superfície-superfície de combate na história da Marinha dos EUA. [9]

Long Beach teve seu lançador Talos removido em 1978. Talos foi retirado do serviço da frota com o descomissionamento do USS Cidade de Oklahoma em 1979, embora o AlbanyOs navios da classe transportando o sistema permaneceram soldados por mais alguns anos com os lançadores deixados no local até serem aposentados em 1980. Após 21 anos de serviço da frota, o míssil foi substituído pelo míssil RIM-67 Standard, que foi disparado do menor Lançador Mk10.

Dois mísseis Talos estão em exibição no Military Honor Park localizado próximo à entrada do Aeroporto Internacional South Bend em South Bend, Indiana.

Um míssil Talos é exibido no átrio do Aeroporto Regional de South Bend (historicamente conhecido como Campo de Bendix).

Um míssil Talos também pode ser visto em exibição no Muskogee War Memorial Park localizado em Muskogee, Oklahoma.

Um míssil Talos está em exibição na Escola de Mísseis Guiados da Marinha dos EUA em Dam Neck, em Virginia Beach, Virgínia, próximo ao prédio principal do NAVGMSCOL.

Dois mísseis Talos estão em exibição, em posição de lançamento, na popa do USS Pedra pequena no Buffalo & amp Erie County Naval & amp Military Park localizado em Buffalo, Nova York.

Um míssil Talos e um reforço estavam em exibição no Rita Blanca Park (casa do XIT Rodeo & amp Reunion) em Dalhart Texas, pelo menos desde 1981 ou antes, mas em 2017 haviam sido removidos.


Mục lục

Galveston được đặt lườn vào tháng 8 năm 1943 tại xưởng tàu của hãng Newport News Shipbuilding & amp Dry Dock Company tại Newport News, Virginia và được hạ thủy vào ngày 22 tháng 4 năm 1945, được đỡ đầu Clark Wall Bởi B. Việc hoàn tất nó bị ngưng lại khi nó sắp hoàn thành vào ngày 24 tháng 6 năm 1946, và lườn tàu được chuyển về Đội Filadélfia thuộc Hạm đội Dự bị Đại Tây Dương. Được xếp lớp như là CL-93 vào ngày 4 de 2 de novembro de 1956, Galveston được tái cấu trúc thành tàu tuần dương tên lửa điều khiển, trở thành chiếc dẫn đầu cho lớp tàu tuần dương Galveston trang bị hệ thống tên lửa đất-đối-không Talos, được xếp lại lớp như là CLG-3 vào ngày 23 tháng 5 năm 1957. Galveston cuối cùng được đưa ra hoạt động tại Filadélfia vào ngày 28 tháng 5 năm 1958 dưới quyền chỉ huy của hạm trưởng, Đại tá Hải quân J. B. Colwell. [1] [2]

1958-1960 Sửa đổi

Galveston khởi hành từ Filadélfia vào ngày 30 tháng 6 năm 1958 cho chuyến đi chạy thử máy ngoài khơi Norfolk, Virgínia, tại khu vực Virginia Capes, bao gồm các cuộc thử nghiệm thành cô thng ving. Kiểu tên lửa đất-đối-không tốc độ siêu âm mới này nặng gần 3.000 lb (1.400 kg), trang bị động cơ phản lực ramjet công suất 40.000 HP (30 MW) và có tầm xa trt ) Nó được thiết kế để tiêu diệt máy bay đối phương ở tầm cao bằng đầu đạn thông thường feno đầu đạn hạt nhan. Galveston đi đến San Juan, Porto Rico vào ngày 16 tháng 1 năm 1959 cho các hoạt động huấn luyện và đánh giá tại vùng biển Tây Ấn. Nó bắn thành công tên lửa Talos lần đầu tiên ngoài biển vào ngày 24 de 2 năm 1959, chứng minh khả năng là chiếc tàu chiến hùng mạnh nhất của Hi quân. Galveston lên đường quay trở về Norfolk vào ngày 17 tháng 3 và trải qua một giai đoạn trong ụ tàu ở Xưởng hải quân Filadélfia. [1]

Vào tháng 7 năm 1959, Galveston Tiến Hành CHAY Ter Maio và Nghiêm qui tai khu VUC cabos de Virgínia, TIEP NOI Bằng một Chuyên đi HUAN Luyen na torneira tai Vũng Biển ngoài KHOI Cuba cung THU Nghiêm Các ele Thong radar và thông estanho Liên Lạc qua Các cuộc tập Tran Chung với Không quân Hoa Kỳ. Vào ngày 4 tháng 1 năm 1960, nó khởi hành từ Norfolk cho một chuyến viếng thăm Charleston, Carolina do Sul, tiếp nối bằng các hoạt động ngoài khơi bờ biển Flórida, Porto Rico và quần đảo Virgin. Sau đó nó hướng đến thành phố mà nó được đặt tên Galveston thuộc tiểu bang Texas, đến nơi vào ngày 16 tháng 2, nơi nó được trao tặng một biểu tượng phục vụ bằng bạc. Quay tro lại Norfolk, con Tàu cho Thao fazer Djan Duoc DJE Qui Nghiem Chan động ngoài Khoi Bahamas, ROI đi vào Xuong Hải quân Philadelphia vào ngày 25 tháng 3 năm 1960 cho một đợt Bảo Trì kéo dài cho đến MUA qui Trong giai đoạn này, con tàu đã tiếp đón hơn 30.000 khách viếng thăm. Nó lên đường hướng đến Virginia Capes vào ngày 24 tháng 10 năm 1960, hoàn tất thành công việc chuyển giao tên lửa ngoài biển. [1]

1961 Sửa đổi

Vào ngày 6 de 1º de novembro de 1961, Galveston rời Norfolk cho các đợt thử nghiệm đánh giá kỹ thuật hệ thống tên lửa Talos do Văn phòng Vũ khí Hải quân tiến hành, bao gồm hệ thống dẫn kn đường, các tính năgo năng đường, các tính năgo năng, Flórida tính năng Kung, kac tính năgo năng đường, Flórida tính năgo kengi , Porto Rico và quần đảo Virgin. Khi những công việc thử nghiệm đánh giá kết thúc vào ngày 1 tháng 3, nó rời San Juan cho một huấn luyện ôn tập và thử máy nghiệm thu sau cùn Guamo ngoài khơi v. [1]

Chiếc tàu tuần dương quay trở về Norfolk vào ngày 9 tháng 4, nhưng lại nhanh chóng di chuyển em Jacksonville, nơi mà vào ngày 8 tháng 5 Galveston bắt đầu hoạt động cùng Lực lượng Đánh giá Hoạt động Chiến thuật, bao gồm các thử nghiệm rộng rãi hệ thống tên lửa của nó, và đã bắn nhiều quả Talos. Hiệu quả của hệ thống và vũ khi được thể hiện bằng một kỷ lục bắn tầm xa mới cũng như bắn thành công loạt hai quả tên lửa. Chiếc Tàu Tuan Dương tên LUA Talo đã qui HUT trên 17,000 Khach Vieng Tham tai Mũi Canaveral nhân ngày le hội Quân đối trong tháng 5 sau djo nó Hoàn TAT Giai đoạn cuối của việc tập Tran đánh Giá tai Vũng Biển Carribe cho đến ngày 21 tháng 7 năm 1960. Nó đã ghé qua Bayonne, Nova Jersey, nơi các radar điều khiển hỏa lực tên lửa được tháo dỡ chuẩn bị cho việc đại tu. Galveston được đại tu tại Xưởng hải quân Filadélfia từ ngày 30 tháng 8 năm 1961 đến ngày 23 tháng 7 năm 1962, bao gồm những cải tiến cho hệ thống điều khiển hỏa lực của tên la Talos. [1]

Galveston ghé qua Charleston để sửa chữa thiết bị điện tử. Nó buộc phải đi vào cảng lúc thủy triều thấp, và phải hạ thấp các cột ăn-ten tín hiệu để có thể băng qua bên dưới cầu Charleston. [1]

1962-1964 Sửa đổi

Galveston rời Filadélfia vào ngày 23 tháng 7 năm 1962, băng qua kênh đào Panama để đi đến San Diego, Califórnia, gia nhập Chi hạm đội Tuần dương-Khu trục 9 thuộc Hạm đội Thái Bình Dươong 1962. động dọc theo bờ Tây Hoa Kỳ cho đến tháng 10 năm 1963 khi nó lên đường hướng cantou khu vực Tây Thái Bình Dương như là soái hạm của chi hạm đội. Trong 6 tháng tiếp theo sau, nó hoạt động tại Viễn Đông cùng với Đệ Thất hạm đội ngoài khơi Nhật Bản, Đài Loan và Okinawa. Nó quay trở về San Diego vào ngày 16 tháng 4 năm 1964 tiếp nối các hoạt động huấn luyện ngoài khơi vùng bờ Tây. [1]

1965 Sửa đổi

Sau một đợi tu kéo dài bốn tháng từ tháng 10 năm 1964 a 2 năm 1965, Galveston rời San Diego cho những hoạt động ngoài khơi Nam Việt Nam. Nó ghé qua căn cứ hải quân vịnh Subic, Filipinas vào ngày 21 tháng 6 rồi gia nhập Đệ Thất hạm đội trong biển Nam Trung Quốc. Trong 5 tháng tiếp theo sau, nó hoạt động suốt trong vùng biển Đông Nam Á trải từ vịnh Thái Lan cho đến vịnh Bắc Bộ, hỗ trợ cho các hoạt động của Hoa Kỳ đẩy lui Cộns Nó đã bắn pháo hỗ trợ cho các cuộc hành quân tìm và diệt tại Chu Lai và bán đảo Vạn Tường ngoài ra nó còn bảo vệ phòng không cho các tàu sân bay thuộc Đệ Thất hạm đội trong biển Nam Trung Quốc cùng những hoạt động tìm kiếm giải cứu các phi công bị bắn rơi trong vịnh Bắc bộ. Nó rời Philippines vào ngày 2 tháng 12 và về đến San Diego vào ngày 18 tháng 12. [1]

1966-1967 Sửa đổi

Tiếp nối việc phục vụ vào đầu tháng 1 năm 1966, Galveston hoạt động tại khu vực từ ngoài khơi San Diego cho đến quần đảo Hawaii và dọc theo bờ biển California trong khi duy trì thủy thủ đoàn và thiết bị trong tình trạng sẵn sàng chiến đấu cao độ. Từ ngày 31 tháng 7 đến ngày 4 tháng 11, nó trải qua một đợt hiện đại hóa, rồi tiếp tục công việc huấn luyện trong thời gian còn lại của năm 1966. Đầu năm 1967, Galveston rời San Diego đi sang vùng bờ Đông, trải qua hầu hết thời gian còn lại của năm đó hoạt động cùng Hạm đội Đại Tây Dương cho các nhiệm vụ tại Đại Tây Dương và Địa Trung Hải. [1]

1968-1969 Sửa đổi

Vào ngày 19 tháng 10 năm 1968, Galveston rời Seal Beach, California cho lượt bố trí hoạt động cuối cùng đến khu vực Tây Thái Bình Dương. Nó phân chia thời gian cho các hoạt động tại Trạm Yankee phía Bắc và Đà Nẵng ở phía Nam, nơi nó tạm thời thay thế cho thiết giáp hạm Nova Jersey tại tiền duyên, trong một đợt kéo dài 9 ngày đã bắn 3500 quả đạn pháo 5 inch và 6 inch và hỗ trợ có hiệu quả cho lực lượng Thủy quân Lục chiến Hàn Quốc tại vùng đồng bằng. Galveston quay trở về đến San Diego vào ngày 2 tháng 2 năm 1969. Sau đó nó rời San Diego để chuyển sang khu vực bờ Đông, bắt đầu các hoạt động cùng Hạm đội Đại Tây Dương cho các nhiệm vụ tại khu vực Địa Trung Hải. [1]

Galveston được tặng thưởng hai Ngôi sao Chiến trận do thành tích vụ phục trong cuộc Chiến tranh Việt Nam. [1] [2]


USS Little Rock Association's Ladies' Auxiliary

While some may consider it unlucky to have a woman aboard ship, the USS Little Rock Association feels just the opposite when it comes to having women as part of our group. In fact, the ladies of the Association have their own group within the organization. Click below to get the latest from the Auxiliary and check back often for updates on how this spirited group interacts with the Association.

The Latest News from the Ladies


Artigos de pesquisa relacionados

o AIM-7 Sparrow is an American, medium-range semi-active radar homing air-to-air missile operated by the United States Air Force, United States Navy, and United States Marine Corps, as well as other various air forces and navies. Sparrow and its derivatives were the West's principal beyond visual range (BVR) air-to-air missile from the late 1950s until the 1990s. It remains in service, although it is being phased out in aviation applications in favor of the more advanced AIM-120 AMRAAM.

o RUR-5 ASROC is an all-weather, all sea-conditions anti-submarine missile system. Developed by the United States Navy in the 1950s, it was deployed in the 1960s, updated in the 1990s, and eventually installed on over 200 USN surface ships, specifically cruisers, destroyers, and frigates. The ASROC has been deployed on scores of warships of many other navies, including Canada, Germany, Italy, Japan, the Republic of China, Greece, Pakistan and others.

o SSM-N-8A Regulus ou o Regulus I was a United States Navy-developed ship-and-submarine-launched, nuclear-capable turbojet-powered second generation cruise missile, deployed from 1955 to 1964. Its development was an outgrowth of U.S. Navy tests conducted with the German V-1 missile at Naval Air Station Point Mugu in California. Its barrel-shaped fuselage resembled that of numerous fighter aircraft designs of the era, but without a cockpit. Test articles of the Regulus were equipped with landing gear and could take off and land like an airplane. When the missiles were deployed they were launched from a rail launcher, and equipped with a pair of Aerojet JATO bottles on the aft end of the fuselage.

UMA surface-to-air missile (SAM), also known as a ground-to-air missile (GTAM) ou surface-to-air guided weapon (SAGW), is a missile designed to be launched from the ground to destroy aircraft or other missiles. It is one type of anti-aircraft system in modern armed forces, missiles have replaced most other forms of dedicated anti-aircraft weapons, with anti-aircraft guns pushed into specialized roles.

USS Long Beach (CLGN-160/CGN-160/CGN-9) was a nuclear-powered guided missile cruiser in the United States Navy and the world's first nuclear-powered surface combatant. She was the third Navy ship named after the city of Long Beach, California.

Um air-to-air missile (AAM) is a missile fired from an aircraft for the purpose of destroying another aircraft. AAMs are typically powered by one or more rocket motors, usually solid fueled but sometimes liquid fueled. Ramjet engines, as used on the Meteor (missile), are emerging as propulsion that will enable future medium-range missiles to maintain higher average speed across their engagement envelope.

Semi-active radar homing (SARH) is a common type of missile guidance system, perhaps the most common type for longer-range air-to-air and surface-to-air missile systems. The name refers to the fact that the missile itself is only a passive detector of a radar signal—provided by an external ("offboard") source—as it reflects off the target(in contrast to active radar homing, which uses an active radar: transceiver). Semi-active missile systems use bistatic continuous-wave radar.

The Convair RIM-2 Terrier was a two-stage medium-range naval surface-to-air missile (SAM), and was among the earliest surface-to-air missiles to equip United States Navy ships. It underwent significant upgrades while in service, starting with a beam-riding system with 10-nautical-mile (19 km) range at a speed of Machف.8, and ending as a semi-active radar homing system with a range of 40 nmi (74 km) at speeds as high as Machك. It was replaced in service by the RIM-67 Standard ER (SM-1ER).

USS Cidade de Oklahoma (CL-91/CLG-5/CG-5) was one of 27 United States Navy Cleveland-class light cruisers completed during or shortly after World War II, and one of six to be converted to guided missile cruisers. She was the first US Navy ship to be named for Oklahoma City, Oklahoma. Commissioned in late 1944, she participated in the latter part of the Pacific War in anti-aircraft screening and shore bombardment roles, for which she earned two battle stars. She then served a brief stint with the occupation force. Like all but one of her sister ships, she was retired in the post-war defense cutbacks, becoming part of the Pacific Reserve Fleet in 1947.

o RIM-116 Rolling Airframe Missile (RAM) is a small, lightweight, infrared homing surface-to-air missile in use by the German, Japanese, Greek, Turkish, South Korean, Saudi Arabian, Egyptian, Mexican and U.S. Navies. It was intended originally and used primarily as a point-defense weapon against anti-ship cruise missiles. As its name indicates, RAM rolls as it flies. The missile must roll during flight because the RF tracking system uses a two-antenna interferometer that can measure phase interference of the electromagnetic wave in one plane only. The rolling interferometer permits the antennas to look at all planes of incoming energy. In addition, because the missile rolls, only one pair of steering canards is required. As of 2005, it is the only U.S. Navy missile to operate in this manner.

Command guidance is a type of missile guidance in which a ground station or aircraft relay signals to a guided missile via radio control or through a wire connecting the missile to the launcher and tell the missile where to steer in order to intercept its target. This control may also command the missile to detonate, even if the missile itself has a fuze.

o P-5 "Pyatyorka", also known by the NATO codename SS-N-3C Shaddock, is a Cold War era turbojet-powered cruise missile of the Soviet Union, designed by the Chelomey design bureau. The missile entered service in 1959. Pyatyorka is a common name for the missile as the "digit 5", corresponding to the R-7 Semyorka, the digit 7.

Operation Bumblebee was a US Navy effort to develop surface to air missiles (SAMs) to provide a mid-range layer of anti-aircraft defence, between anti-aircraft guns in the short range and fighter aircraft operating at long range. A major reason for the Bumblebee efforts was the need to attack bombers before they could launch standoff anti-shipping weapons, as these aircraft might never enter the range of the shipboard guns.

o Albany-class guided missile cruisers were converted Baltimore e Oregon City-class heavy cruisers of the United States Navy. All original superstructure and weapons were removed and replaced under project SCB 172. The converted ships had new very high superstructures and relied heavily on aluminum to save weight.

o AN/SPG-55 was an American tracking / illumination radar for Terrier and RIM-67 Standard missiles (SM-1ER/SM-2ER). It was used for target tracking and surface-to-air missile guidance as part of the Mk 76 missile fire control system. It was controlled by a UNIVAC 1218 computer.

o RIM-66 Standard MR (SM-1MR/SM-2MR) is a medium-range surface-to-air missile (SAM), with a secondary role as anti-ship missile, originally developed for the United States Navy (USN). A member of the Standard Missile family of weapons, the SM-1 was developed as a replacement for the RIM-2 Terrier and RIM-24 Tartar that were deployed in the 1950s on a variety of USN ships. The RIM-67 Standard (SM-1ER/SM-2ER) is an extended range version of this missile with a solid rocket booster stage.

o RIM-67 Standard ER (SM-1ER/SM-2ER) is an extended range surface-to-air missile (SAM) and anti ship missile originally developed for the United States Navy (USN). The RIM-67 was developed as a replacement for the RIM-8 Talos, a 1950s system deployed on a variety of USN ships, and eventually replaced the RIM-2 Terrier as well, since it was of a similar size and fitted existing Terrier launchers and magazines. The RIM-66 Standard MR was essentially the same missile without the booster stage, designed to replace the RIM-24 Tartar. The RIM-66/67 series thus became the US Navy's universal SAM system, hence the "Standard Missile" moniker.

Typhon was a missile system developed by the United States Navy in the late 1950s, intended to serve as an integrated air-defense system for Navy fleets. Consisting of the SAM-N-8 Typhon LR, later designated RIM-50A, e as SAM-N-9 Typhon MR, mais tarde RIM-55A, paired with the AN/SPG-59 radar system, the cost and expense of the Typhon system led to it being cancelled in favor of the Standard Missile program.

o RIM-174 Standard Extended Range Active Missile (ERAM), or Standard Missile 6 (SM-6) is a missile in current production for the United States Navy. It was designed for extended range anti-air warfare (ER-AAW) purposes providing capability against fixed and rotary-wing aircraft, unmanned aerial vehicles, anti-ship cruise missiles in flight, both over sea and land, and terminal ballistic missile defense. It can also be used as a high speed anti-ship missile. The missile uses the airframe of the earlier SM-2ER Block IV (RIM-156A) missile, adding the active radar homing seeker from the AIM-120C AMRAAM in place of the semi-active seeker of the previous design. This will improve the capability of the Standard missile against highly agile targets, and targets beyond the effective range of the launching vessels' target illumination radars. Initial operating capability was planned for 2013 and was achieved on 27 November 2013. The SM-6 is not meant to replace the SM-2 series of missiles, but will serve alongside and provide extended range and increased firepower. It was approved for export in January 2017.

o AAM-N-10 Eagle was a long-range air-to-air missile developed by the Bendix Corporation for use by the United States Navy. Intended for carriage by the Douglas F6D Missileer fleet defense fighter, the Eagle program was cancelled before testing could begin, but the lessons learned were used in the development of the AIM-54 Phoenix missile.


Assista o vídeo: USS HORNET