The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863, Kevin J. Dougherty

The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863, Kevin J. Dougherty


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863, Kevin J. Dougherty

The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863, Kevin J. Dougherty

Este livro faz uma abordagem incomum para as campanhas que levaram à captura de Vicksburg pela União, examinando as lições de liderança que podem ser aprendidas com os diferentes elementos da campanha. Vicksburg se presta a essa abordagem, com uma clara diferença no estilo e nas habilidades dos líderes de ambos os lados.

Dougherty começa com um relato de 40 páginas da campanha de Vicksburg, que também inclui um breve resumo dos exércitos adversários, a organização de ambos os lados e as várias tentativas de Grant de passar pela cidade. A parte principal do livro consiste em trinta vinhetas de liderança. Cada um deles assume um aspecto particular da liderança e o ilustra observando uma parte adequada da campanha. Esta parte do livro leva um certo tempo para se acostumar, pois a história militar se mistura com a teoria da liderança, uma área que tem seu próprio jargão e linguagem.

No início, achei o choque entre a discussão histórica e a teoria da liderança moderna um pouco chocante, mas, uma vez que esse impressionante inicial foi superado, a abordagem começa a fazer sentido. Vicksburg viu um choque entre estilos de liderança muito diferentes em vários níveis de comando. No nível mais alto, Lincoln e Jefferson Davies desempenharam um papel na campanha, Lincoln mantendo Grant no comando apesar de algumas dúvidas sobre suas habilidades e Davies por não coordenar as tentativas confederadas de defender Vicksburg. Os dois comandantes do exército eram muito diferentes, com Pemberton um líder bem mais poderoso do que Grant. Seus subordinados e colegas também diferiam em habilidade, com Grant se beneficiando de (principalmente) subordinados leais capazes e Pemberton sofrendo de subordinados argumentativos e relações tensas com seu vizinho de posição igual na margem oeste do Mississippi.

Esta é uma abordagem interessante para uma campanha importante. Grant é sempre reconhecido como um líder melhor do que Pemberton, mas este livro ajuda a explicar o que havia no estilo de Grant que o tornava um líder superior e vale a pena deixar de lado o jargão da liderança.

Parte 1: Compreendendo Vicksburg

Parte 2: Vinhetas de Liderança
1 - O Poderoso Mississippi: Winfield Scott e Visão Estratégica
2 - A Batalha de Corinto: Ulysses Grant e Criando as Condições Necessárias
3 - Configurar para falhar: o sistema departamental confederado e a organização estratégica
4 - O Homem Errado para o Trabalho: John Pemberton e o Princípio de Peter
5 - O conflito confederado: John Pemberton e relações pobres com subordinados
6 - A Equipe Federal: Ulysses Grant e Relações Positivas com Subordinados
7 - Chickasaw Bayou: William Sherman e saber quando parar
8 - O Self-Made Man e o Reinvented Man: The Raids of Forrest e Van Dorn
9 - Outras tentativas fracassadas: Ulysses Grant e Perseverance
10 - Um apelo aos federais: Charles Dana e lidando com a fraqueza
11 - Guerra Assimétrica: Zedekiah McDaniel, Francis Ewing e Inovação
12 - Correndo o desafio: Ulysses Grant, David Porter e Unidade de Esforço
13 - Ajudando a correr o desafio: William Sherman e desempenhando um papel de apoio
14 - A Batalha de Port Gibson: John Bowen e Competência Técnica
15 - 'Cortando solto': Ulysses Grant e Assumindo Risco
16 - Confusão Confederada: John Pemberton e Quadro de Referência
17 - Grant Heads Northeast: Ulysses Grant e Clear Communications
18 - A Batalha de Raymond: John Gregg e Compreendendo a Situação
19 - A Batalha de Jackson: Joseph Johnston e o Pessimismo
20 - A Batalha de Champion Hill: Ulysses Grant e Presença Pessoal
21 - Retiro de Champion Hill: Lloyd Tilghman e o Sacrifício Pessoal
22 - Ataque a Vicksberg: Thomas Higgins e a liderança heróica
23 - Problema removido: John McClernand e a ambição destrutiva
24 - Guerra de cerco: Henry Foster e solução de problemas
25 - A Mina Federal: John Logan e a Iniciativa
26 - Rendição e liberdade condicional: Ulysses Grant e pragmatismo
27 - Pouca ajuda vinda de cima: Jefferson Davis e a direção estratégica
28 - Uma vitória decisiva: Abraham Lincoln e a admissão quando você está errado
29 - A Campanha Meridian: William Sherman e a Criação de Oportunidades
30 - Um herói trágico: John Pemberton e o serviço abnegado
Conclusões sobre liderança durante a campanha de Vicksburg
Ordem de batalha da campanha de Vicksburg

Autor: Kevin J. Dougherty
Edição: capa dura
Páginas: 256
Editora: Casemate
Ano: 2011



Bala de canhão

Recentemente, tem havido uma enxurrada de livros de negócios e liderança que recebem lições de assuntos militares e os aplicam como & # 8220 lições de vida. & # 8221 Alguns cobriram Gettysburg ou Lincoln ou outros tópicos da Guerra Civil, bem como a Segunda Guerra Mundial e outras eras . Entre os mais novos 9 e melhores) deles está Kevin J. Dougherty & # 8217s recentemente lançado The Campaigns for Vicksburg: 1862-1863: Leadership Lessons, publicado e distribuído pela Casemate.

Dougherty não apenas apresenta uma visão geral sólida da campanha, suas batalhas, personalidades e resultados, mas ele aplica aprendizados-chave para situações cotidianas para examinar as facetas de liderança necessárias para tomar as melhores decisões sob pressão. Seja no escritório ou no trabalho, na escola ou nos relacionamentos, todos nós enfrentamos decisões difíceis, que podem afetar não apenas a nós mesmos, mas também as pessoas ao nosso redor. Dougherty fornece um vislumbre de como os líderes de Vicksburg, tanto da União quanto da Confederação, enfrentaram (ou pioraram) esses desafios.

O autor é um ex-oficial do Exército dos EUA e atual instrutor do The Citadel. Ele aplica as lições da determinação de US Grant & # 8217s, vacilação de Joe Johnston & # 8217s, audácia e ousadia de Earl Van Dorn & # 8217s, William Tecumseh Sherman & # 8217s subordinação voluntária a Grant e sua capacidade de aumentar e cumprir as ideias de seu chefe & # 8217s, John Pemberton & # A inaptidão e a incompetência de 8217s com uma posição altamente responsável (promovido acima de suas capacidades) e outros líderes-chave e suas características definidoras. Cada lição é resumida com uma série de lições importantes que podem ser aplicadas às decisões diárias enfrentadas pelo leitor.

O livro está dividido em duas seções. O primeiro oferece uma visão geral da situação militar, sua importância, os principais desafios enfrentados pela liderança de ambos os exércitos adversários e as implicações e resultados potenciais de suas decisões. Para leitores não familiarizados com a Campanha de Vicksburg, esta é uma seção útil e necessária.

A segunda seção consiste em 30 capítulos curtos que são vinhetas individuais de vários líderes confederados e sindicais. É aqui que o livro de Dougherty & # 8217s brilha. Ele analisa cada homem a partir de uma perspectiva de liderança, estudando seus pontos fortes e fracos e como eles os aplicaram (ou ficaram sobrecarregados pelas situações que enfrentaram). Há muito conteúdo rico nessas lições que podem ser relevantes para o mundo de hoje.

Este livro é útil para líderes empresariais e cívicos, pastores, presidentes e oficiais de organizações e outros em posições de liderança. É, mais importante, aplicável a situações difíceis enfrentadas por pessoas comuns, dando lições sobre o que fazer e o que não fazer com base nas personalidades militares em Vicksburg, quase 150 anos atrás, durante a Guerra Civil.


Este estudo da Batalha de Vicksburg oferece “uma história de campanha completa. . . e 30 vinhetas de liderança instrucional "por um oficial tático da Citadel (Revisão militar).

Considerada por muitos historiadores como a batalha verdadeiramente decisiva da Guerra Civil, Vicksburg é fascinante em muitos níveis. Ponto focal de ambos os exércitos ocidentais, a campanha de manobra que finalmente isolou os confederados na cidade foi magistral. A contribuição da Marinha para a vitória da União foi significativa. O drama humano da população civil sitiada de Vicksburg é convincente, e os ataques da cavalaria confederada que primeiro negaram a vitória da União são emocionantes. Mas a chave para a vitória federal em Vicksburg foi simplesmente uma liderança melhor. É esse aspecto da campanha que The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863 procura explorar.

A primeira seção deste livro familiariza o leitor com os desafios, características e estilos associados à liderança durante a Guerra Civil em geral. Ele também descreve a campanha de Vicksburg, desde as tentativas fracassadas de captura até as manobras e logística brilhantes que permitiram a Grant finalmente colocar o cerco. A segunda seção do livro contém trinta “vinhetas de liderança” que abrangem as ações dos líderes mais antigos até as de soldados individuais. Cada vinheta explica a ação em termos de lições de liderança aprendidas e conclui com uma pequena lista de “dicas” para cristalizar as lições para o leitor.

Este estudo cobre muitos dos comandantes mais famosos da Guerra Civil que competiram pelo rebelde "Gibraltar no Mississippi" e revela lições importantes sobre a tomada de decisões que ainda se aplicam aos dias de hoje.


Avaliações da comunidade

Mais cinco estrelas! Adorei ler este livro incrível de Kevin Dougherty. “The Campaigns for Vicksburg, 1862-63: Leadership Lessons” é um livro bom demais para ser considerado apenas mais uma história de Vicksburg. As livrarias não devem limitar o livro a uma atribuição na seção de história militar. Ele merece um lugar de destaque na seção de negócios com os livros sobre liderança e gestão, bem como na seção de história militar. Ao ler o livro, lembrei-me de um livro que li no início dos anos 1990, Five stars plus! Adorei ler este livro incrível de Kevin Dougherty. “The Campaigns for Vicksburg, 1862-63: Leadership Lessons” é um livro bom demais para ser considerado apenas mais uma história de Vicksburg. As livrarias não devem limitar o livro a uma atribuição na seção de história militar. Ele merece um lugar de destaque na seção de negócios com os livros sobre liderança e gestão, bem como na seção de história militar. Ao ler o livro, lembrei-me de um livro que li no início dos anos 1990, "Leadership Secrets of Attila the Hun". O livro é muito bom!

Kevin Dougherty faz um ótimo trabalho fornecendo lições de liderança dos principais líderes militares e políticos da época. Ele nos ajuda a entender Vicksburg. Ele faz isso compartilhando os desafios, características e estilos associados à liderança durante a Guerra Civil. Ele segue com uma visão geral de toda a campanha de Vicksburg.

Em seguida, ele fornece trinta estudos de caso ou vinhetas de liderança. Ele começa com o Plano Anaconda do General Winfield Scott. Ele nos conduz sistematicamente durante a campanha. Nós nos encontramos e aprendemos sobre os principais líderes e engajamentos. Cada uma das trinta vinhetas começa com um breve resumo. Segue-se com uma história sucinta do evento (por exemplo, Chickasaw Bayou: William Sherman e Knowing When to Quit). A seguir, compartilhar as lições de liderança aprendidas no evento. Os capítulos (vinhetas) concluem com uma barra lateral de “Conclusões” que fornecem um resumo sucinto das lições aprendidas.

À medida que está gostando de ler o livro, você aprende lições valiosas sobre a diferença entre gerenciamento e liderança. Você ganha uma compreensão da liderança servil. Você vê o valor da comunicação clara dos líderes com seus subordinados. Você compreende o valor da presença pessoal do líder em uma organização.

O autor termina o livro com conclusões sobre liderança durante a campanha de Vicksburg. As áreas cobertas são estratégia, confiança, unidade de esforço, quadro de referência, consciência situacional, tomada de risco, resolução de problemas, bravura pessoal e habilidade técnica. A inclusão da Ordem da Batalha da Campanha de Vicksburg como um apêndice é apreciada e ajuda a compreender o tamanho da tarefa de liderança enfrentada pelo General U.S. Grant.

“The Campaigns for Vicksburg, 1862-63: Leadership Lessons” é uma valiosa adição ao estudo da liderança e de Vicksburg. Seria um excelente estudo para líderes empresariais, bem como para oficiais e soldados profissionais. Recomendo seu acréscimo à biblioteca pessoal de todos os estudantes de ciências militares. Espero que seja incluído nas listas de leitura dos cursos básicos ou avançados para oficiais. Como em "Segredos da liderança de Átila, o Huno", as lições apresentadas em "As campanhas por Vicksburg, 1862-63: Lições de liderança" são atemporais.


Avaliações

Oráculo americano: a guerra civil na era dos direitos civis, por David W. Blight,
Belknap Press, 2011, $ 27,95

Pouco antes de sua morte em 1870, Robert E. Lee escreveu em uma carta a um ex-assessor, o tenente-coronel Charles Marshall, que “É a história que nos ensina a ter esperança”. Em seu novo livro maravilhoso Oráculo americano, David Blight nos lembra de maneira pungente que apenas "uma sensação de tragédia torna possível a esperança real".

O grande dom de Blight como historiador é sua capacidade de transformar questões complexas e muitas vezes controversas em prosa clara, concisa e infalivelmente elegante. Em nenhum lugar isso é mais evidente do que em sua meditação sobre como quatro escritores americanos - Robert Penn Warren, Bruce Catton, Edmund Wilson e James Baldwin - influenciaram a memória pública durante a comemoração do centenário da Guerra Civil, anos turbulentos que coincidiram com a ansiedade da Guerra Fria e a nascimento de um movimento militante pelos direitos civis.

Em seu prólogo - só que vale o preço do livro - Blight abre a discussão explicando a memória pública como as histórias que contamos a nós mesmos para entender quem somos e como chegamos a esse ponto. Para responder por que os americanos continuam fascinados pela guerra, ele observa: “A Guerra Civil Americana foi um evento que resiste ferozmente ao consenso popular ... continua sendo o épico nacional mítico”.

Warren, Catton, Wilson e Baldwin podem parecer uma combinação estranha para tal estudo. Mas depois de absorver a análise matizada de Blight de suas vidas e obras, torna-se evidente que, para cada homem, "um temperamento trágico informou a visão da história americana em geral e da era da Guerra Civil em particular." A dificuldade que os americanos sempre tiveram em entender a tragédia histórica é um tema ao qual Blight retorna ao longo do livro.

Lendo Oráculo americano requer coragem intelectual e uma mente questionadora. Aqueles que aceitarem o desafio terão um véu de convenções confortáveis ​​arrancado. Em seu lugar estará a Guerra Civil, o evento seminal na história da América, desenrolada em toda a sua complicada tragédia, exigindo ser interpretada de novo.
—Gordon Berg

For Duty and Destiny: The Life and Civil War Diary of William Taylor Stott, Hoosier Soldier and Educator, por Lloyd A. Hunter, Indiana Historical Society Press, 2011, $ 27,95

A maioria dos diários e cartas da Guerra Civil compilados por soldados rústicos do Meio-Oeste foram escritos por homens incultos que viveram vidas simples antes de marcharem para a guerra. Qualquer pessoa que passou muito tempo lendo-os encontrará muitos diálogos sobre dificuldades físicas, descrições de paisagens e clima e reclamações sobre provisões e oficiais incompetentes.

Mas a prosa de William Taylor Stott, um futuro acadêmico que lutou com a 18ª Infantaria de Indiana, reflete o intelecto de um soldado excepcionalmente brilhante e com formação universitária que veio dos campos de milho de Indiana. O diário de Stott está repleto de reflexões religiosas e filosóficas, reflexões sobre grandes obras literárias, suas observações sobre o comportamento humano e as relações entre os sexos e suas frequentes ruminações sobre estar deslocado como um pensador intelectual entre seus camaradas-em-crista e rude. braços.

Um batista devotado, as visões religiosas de Stott inclinavam-se para o fundamentalismo e a doutrina - ele defendia a temperança no Exército e insistia no batismo por imersão. Mas Stott não pode ser estereotipado como meramente dogmático religioso. Ele se opôs fervorosamente à escravidão e abraçou a igualdade racial, bastante incomum para um soldado comum na época. Ele era ecumênico, aceitava aqueles com outras crenças além do batista, e amava os tempos de solidão e meditação silenciosa. Seu senso de humor costumava ser expresso em uma sutil sagacidade e em uma brincadeira discreta.

Stott passou mais de três anos uniformizado, lutando em vários combates importantes, marchando (por conta própria
estimativa) 10.000 milhas e passando de privado para capitão. Ele viu os piores horrores que a guerra tinha a oferecer, mas manteve a segurança espiritual e filosófica de que tudo fazia parte de um plano e propósito maior para o bem. Embora ele tenha sobrevivido à guerra, ele foi atormentado por problemas de saúde pelo resto de sua vida.

Este livro é mais do que apenas uma reprodução do diário de Stott na Guerra Civil. O autor Lloyd A. Hunter, professor emérito de história e estudos americanos no Franklin College, cobre toda a história da vida de Stott em profundidade e oferece uma visão sobre o serviço deste homem renascentista em tempos de guerra. Leitura recomendada para o aficionado ou estudioso da história da Guerra Civil.
—James R. Hall

The Campaign for Vicksburg, 1862-1863: Leadership Lessons, Kevin J. Dougherty, Casemate, 2011, $ 32,95

Quando questionado sobre quais qualidades ele mais desejava em um líder militar, Napoleão teria respondido que precisava de apenas uma: sorte. No entanto, a noção de que o sucesso na guerra - ou em qualquer empreendimento humano - está em grande parte fora das mãos daqueles que o perseguem, geralmente não se coaduna com a maioria das pessoas. Mais atraente é a ideia de que existem princípios universais de liderança e que o sucesso ou o fracasso depende do fato de os líderes terem sabedoria para compreendê-los e aplicá-los. Para identificar esses princípios, os teóricos da liderança invariavelmente olharam para o passado, com uma abordagem de “lições aprendidas” da história refletida nos muitos livros que pretendem usar a história militar como uma ferramenta para desenvolver a liderança.

O novo estudo de Kevin Dougherty sobre a Campanha de Vicksburg é a mais recente adição a este bolso da literatura. Suas breves visões gerais da campanha e dos desafios de liderança da Guerra Civil são informativas e bem escritas. Dougherty inclui 30 vinhetas da campanha que ilustram bons e maus momentos de liderança e oferece uma pequena lista de "lições" para aspirantes a líderes no final de cada vinheta (por exemplo, "Os líderes devem encontrar seu nicho" "Até os líderes devem saber como siga ”“ A comunicação é uma via de mão dupla ”). Não é surpreendente que Dougherty apresente Ulysses Grant, William Sherman e Abraham Lincoln como exemplos de liderança eficaz, enquanto critica o colega Yankee John McClernand e os generais confederados John C. Pemberton e Joseph E. Johnston.

Não há muito aqui em termos de informação e análise que seja novo para leitores já familiarizados com Vicksburg e os comandantes de ambos os lados. Além disso, embora a bibliografia indique que Dougherty consultou uma gama respeitável de fontes, ele não fornece notas de rodapé ou notas finais para indicar as fontes de informações específicas. No entanto, para aqueles que são novos na Campanha de Vicksburg, especialmente aqueles que gostam de “lições aprendidas”, este será um livro valioso.
—Ethan S. Rafuse

Para as batalhas de Franklin e Nashville e além, Benjamin Franklin Cooling, University of Tennessee Press, 2011, $ 45,95

Após a guerra, o cavaleiro do Tennessee Thomas Black Wilson declarou: “Eu vejo o Forte Donelson como uma das batalhas mais importantes da guerra”. Benjamin Franklin Cooling, professor de história na National Defense University, passou grande parte de sua carreira corroborando a presciência da observação de Black sobre a vitória da União no início de 1862 e a guerra no Western Theatre que se seguiu. Este volume triunfal conclui a trilogia estelar de Cooling detalhando a guerra em Kentucky e Tennessee. Ele habilmente combina os insights de um historiador com a experiência de um analista de segurança nacional para retratar vividamente como a esperança da Confederação de nacionalidade naufragou nas colinas escarpadas e no coração ondulante do Upper South.

Avaliando a situação militar após a vitória de Ulysses S. Grant sobre Braxton Bragg em Chattanooga em novembro de 1863, Cooling eloquentemente conclui que "os sonhos de 'voltar ao Tennessee' se dissiparam nas neves de inverno do norte da Geórgia e se tornaram discutíveis quando as flores da primavera pressagiaram movimentos federais renovados para o sul na linha ferroviária para Atlanta, bem como na Virgínia. ” Os estrategistas rebeldes excessivamente otimistas não tinham homens e material para desequilibrar o rolo compressor Federal e, Cooling conclui, "o momento confederado havia passado em maio".

Mas 16 meses de duros combates para os soldados e severa privação econômica para os civis ainda estavam por vir. Cooling pontua sua monografia com anedotas pungentes, revelando como a lealdade dividida entre os cidadãos dos dois estados gerou condições tensas e instáveis ​​por trás das linhas e as esperanças de Abraham Lincoln de reintegrar áreas ocupadas pelos exércitos do Norte de volta à União permaneceram não realizadas.

Cooling também se distingue como mestre da narrativa de batalha. Suas descrições dos combates em Spring Hill, Franklin e Nashville são espirituosas e analiticamente perspicazes. Esta é uma leitura obrigatória para quem deseja entender por que a guerra realmente foi vencida no Ocidente.
—Gordon Berg

A Guerra Civil Não Contada: Explorando o Lado Humano da Guerra, James Robertson, National Geographic, 2011, $ 40

O primeiro submarino a afundar um navio - e então afundar sozinho. A única mulher a receber a Medalha de Honra, e sua colega médica no campo inimigo que se tornou a única mulher a ser comissionada um oficial. Dois cães que foram enterrados com honras militares. Bandeiras cuja captura - ou a prevenção dela - poderia render a um soldado a Medalha de Honra, mas cujo porte poderia custar-lhe a vida. Um alimento básico que fervilhava de mofo e vermes ou era, como observou um soldado da infantaria da Pensilvânia, "quase tão duro quanto um tijolo e, sem dúvida, manteria
por anos."

Estas são apenas algumas das vinhetas, em meio a 475 fotos e ilustrações, que James Robertson usa para apresentar A guerra civil não contada. Algumas das histórias e fotos serão familiares para a maioria, mas esta oferta do sesquicentenário da National Geographic Society está repleta de outras que podem levantar as sobrancelhas até mesmo dos fãs mais radicais.

Dado que Robertson é um eminente historiador da Guerra Civil, é surpreendente que alguns erros ocorram. O uso de ambulâncias de campo por Jonathan Letterman para a evacuação rápida de feridos, por exemplo, não foi uma inovação da guerra americana - Dominique Jean Larrey a apresentou em Campos de batalha napoleônicos mais de meio século antes. O desejo declarado de Henry Heth de obter sapatos para seus homens expressou um benefício adicional, não o objetivo causal, da Batalha de Gettysburg. Os pontos fortes do livro, no entanto, estão nos fatos menores e mais mundanos da vida cotidiana que lembram o leitor de quem realmente lutou na guerra: os sapatos mal ajustados com os quais centenas de milhares tiveram que marchar milhões de milhas, o sacrifício de 2 milhões cavalos, a prática da odontologia em tempo de guerra, o profundo efeito do telégrafo tanto na comunicação de campo quanto no jornalismo, o tratamento dado aos soldados negros tanto pelo Norte quanto pelo Sul, o que representou uma desgraça nacional. Esses e muitos outros detalhes servem para fazer A Guerra Civil Não Contada viver de acordo com seu título.
—Jon Guttman


The Campaigns for Vicksburg 1862-63: Leadership Lessons Kindle Edition

& # x22. escrito em um estilo claro e lúcido. definitivamente sobre liderança. E, portanto, eu recomendaria como tal o fato de que as lições são baseadas em uma parte fascinante de um conflito bem conhecido é um bônus para aqueles de nós cujos interesses abrangem os campos de questões militares e autoaperfeiçoamento pessoal! & # X22-- & # x22Wargamer & # x22

& # x22. um esplêndido exemplo de como a história militar consegue atrair um público amplo e ultrapassar as fronteiras dos campos tradicionais de interesse. & # x22-- & # x22O historiador & # x22

& # x22. excede em muito qualquer outro resumo de tamanho semelhante. bem escrito e útil para uma ampla variedade de leitores. cadetes e aspirantes irão reunir uma série de ideias e técnicas para adicionar às suas próprias caixas de ferramentas de liderança. & # x22-- & # x22Civil War Book Review & # x22

& # x22Dougherty oferece uma história de campanha completa, um pano de fundo básico para a estrutura militar da era da Guerra Civil e 30 vinhetas de liderança instrucional. Isso não apenas familiariza os leitores com a 'brilhante campanha de manobra', mas também destaca as muitas lições de liderança da campanha. . . . Ao apresentar a campanha de Vicksburg em relatos concisos e incorporar lições úteis, o trabalho de Dougherty oferece um guia de tomada de decisão e histórico de campanha claros. & # X22-- & # x22Revisão militar & # x22

& # x22Cinco estrelas mais. uma adição valiosa ao estudo de liderança e Vicksburg. Seria um excelente estudo para líderes empresariais, bem como para oficiais e soldados profissionais. Recomendo seu acréscimo à biblioteca pessoal de todos os estudantes de ciências militares. Espero que seja incluído nas listas de leitura dos cursos básicos ou avançados para oficiais. Como em & # x22Leadership Secrets of Attila the Hun & # x22, as lições apresentadas em & # x22The Campaigns for Vicksburg, 1862-63: Lições de liderança & # x22 são atemporais. & # X22-- & # x22História militar de Kepler & # x22 --Este o texto refere-se à edição de capa dura.


Mapa Guerra Civil Americana: Campanha de Vicksburg, 1862-1863

Os mapas nos materiais das Coleções de mapas foram publicados antes de 1922, produzidos pelo governo dos Estados Unidos, ou ambos (consulte os registros do catálogo que acompanham cada mapa para obter informações sobre data de publicação e fonte). A Biblioteca do Congresso está fornecendo acesso a esses materiais para fins educacionais e de pesquisa e não tem conhecimento de qualquer proteção de direitos autorais dos EUA (consulte o Título 17 do Código dos Estados Unidos) ou quaisquer outras restrições nos materiais da Coleção de Mapas.

Observe que a permissão por escrito dos proprietários dos direitos autorais e / ou outros detentores dos direitos (como publicidade e / ou direitos de privacidade) é necessária para distribuição, reprodução ou outro uso de itens protegidos além do permitido pelo uso justo ou outras isenções legais. A responsabilidade por fazer uma avaliação legal independente de um item e garantir todas as permissões necessárias, em última análise, recai sobre as pessoas que desejam usar o item.

Linha de crédito: Biblioteca do Congresso, Divisão de Geografia e Mapas.


The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863, Kevin J. Dougherty - História

Roger Adelson Uma linha na areia: a luta anglo-francesa pelo Oriente Médio, 1914-1948 Por James Barr (páginas 122–123)

William Morris Welch Quênia: entre a esperança e o desespero, 1963–2011 Por Daniel Branch (páginas 123-124)

Katrin Schultheiss The Harkis: a ferida que nunca cura Por Vincent Crapanzano (páginas 124-125)

John McBratney O Último Colonial: Curiosas Aventuras e Histórias de um Mundo em Desaparecimento Por Christopher Ondaatje (páginas 126-127)

Ira Spar O mistério das dez tribos perdidas: um levantamento crítico dos registros históricos e arqueológicos relativos ao povo de Israel no exílio na Síria, Mesopotâmia e Pérsia até c. 300 AC Por Ziva Shavitsky (páginas 127-128)

Jennifer Estava Davis As AméricasA Ira de Deus: Lope de Aguirre, Revolucionário das Américas Por Evan L. Balkan (páginas 128-129)

James Hoopes Soluções capitalistas: uma filosofia dos dilemas morais americanos Por Andrew Bernstein (páginas 130–131)

Lybeth Hodges Re-Dressing America's Frontier Past Por Peter Boag (páginas 131-132)

Ralph Ketcham James Madison Por Richard Brookhiser (páginas 132-133)

Richard I. Frank A guerra de Joe Rochefort: a odisséia do decifrador que enganou Yamamoto em Midway Por Elliot Carlson (páginas 133-134)

John H. Monnett Victorio: Guerreiro e Chefe Apache Por Kathleen P. Chamberlain e Richard W. Etulain (páginas 135–136)

John C. Hajduk América de Duke Ellington Por Harvey G. Cohen (páginas 136–137)

John P. Husmann Prairie Fire: A Great Plains History Por Julie Courtwright (páginas 137-138)

A. James Fuller The Campaigns for Vicksburg, 1862-1863: Leadership Lessons Por Kevin J. Dougherty (páginas 139-140)

Christopher J. Young Guerreiros Rústicos: Guerra e o Soldado Provincial na Fronteira da Nova Inglaterra, 1689-1748 Por Steven C. Eames (páginas 140–141)

David Thomas Slavery in the American Republic: Developing the Federal Government, 1791-1861 Por David F. Ericson (páginas 141-142)

Harold F. Bass Jr Pintando Dixie de vermelho: quando, onde, por que e como o sul se tornou republicano - editado por Glenn Feldman (páginas 142–144)

Willard Carl Klunder Vitória final de Grant: o heróico de Ulysses S. Grant no ano passado Por Charles Bracelen Flood (páginas 144–145)

John T. Kneebone Personagem do sul: Ensaios em homenagem a Bertram Wyatt-Brown - Editado por Lisa Tendrich Frank e Daniel Kilbride (páginas 145–146)

Robert Whitney Vozes dos escravizados na Cuba do século XIX: uma história documental Por Gloria García Rodríguez (páginas 147-148)

Dean J. Kotlowski Call Me Tom: The Life of Thomas F. Eagleton Por James N. Giglio (páginas 148-149)

Lindsey R. Swindall Pearl Harbor: FDR lidera a nação para a guerra Por Steven M. Gillon (páginas 149-150)

Kathryn Ragsdale Lutando por MacArthur: a defesa desesperada da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais das Filipinas Por John Gordon (páginas 151-152)

Paul A. Thomsen Operação Anaconda: a primeira grande batalha da América no Afeganistão Por Lester W. Grau e Dodge Billingsley (páginas 152-153)

Gavin Wright Barcos a vapor e a ascensão do reino do algodão Por Robert Gudmestad (páginas 153-154)

Sarah J. Purcell A política da moda na América do século XVIII Por Kate Haulman (páginas 154-155)

Joshua D. Koenig The Making of Yosemite: James Mason Hutchings e a Origem do Parque Nacional Mais Popular da América Por Jen A. Huntley (páginas 156–157)

Mitchell Nathanson Double No-Hit: a noite histórica sob as luzes de Johnny Vander Meer Por James W. Johnson (páginas 157–158)

Emily C. Morry Justiça de Jersey: A História dos Trenton Six Por Cathy D. Knepper (páginas 158-159)

Elena Conis Deluxe Jim Crow: Direitos Civis e Política de Saúde Americana, 1935–1954 Por Karen Kruse Thomas (páginas 159-161)

Lisa E. Emmerich Encontros violentos: entrevistas sobre massacres do oeste Por Deborah Lawrence e Jon Lawrence (páginas 161-162)

Christian J. Koot Rio das Trevas: a lendária viagem de morte e descoberta de Francisco Orellana pelo Amazonas Por Buddy Levy (páginas 162-163)

Mark R. Wilson Eisenhower e a economia da Guerra Fria Por William M. McClenahan Jr. e William H. Becker (páginas 163-164)

Thomas Sheppard Máxima bravura: as Marinhas dos EUA e reais no mar na Guerra de 1812 Por Kevin McCranie (páginas 165-166)

Michael A. LaCombe Jantar com os Washingtons: receitas históricas, entretenimento e hospitalidade de Mount Vernon Editado por Stephen A. McLeod (páginas 166–167)

Timothy R. Johnson Tribunal de Nixon: seu desafio ao liberalismo judicial e suas consequências políticas Por Kevin J. McMahon (páginas 167-168)

Roman J. Hoyas Lincoln e o triunfo da nação: conflito constitucional na guerra civil americana Por Mark E. Neely (páginas 169-170)

Brenna Wynn Greer A voz do ouvinte: Early Radio and the American Public Por Elena Razlogova (páginas 170–171)

Gerald Ronning Presidente da Outra América: Robert Kennedy e a Política da Pobreza Por Edward R. Schmitt (páginas 171-172)

Capitão John Nelson Rickard Marshall e seus generais: Comandantes do Exército dos EUA na Segunda Guerra Mundial Por Stephen R. Taaffe (páginas 173-174)

Marsh W. Jones The Poisoned Chalice: Eucharistic Grape Juice and Common-Sense Realism in Victorian Methodism By Jennifer L. Woodruff Tait (pages 174–175)

Steven F. Lawson Defending White Democracy: The Making of a Segregationist Movement & the Remaking of Racial Politics, 1936–1965 By Jason Morgan Ward (pages 175–176)

Bart Talbert Abraham Lincoln and Treason in the Civil War: The Trials of John Merryman By Jonathan W. White (pages 176–178)

Brian Madison Jones Reagan on War: A Reappraisal of the Weinberger Doctrine, 1980–1984 By Gail E. S. Yoshitani (pages 178–179)

Kenneth Lipartito Capitalism Takes Command: The Social Transformation of Nineteenth-Century America Edited By Michael Zakim and Gary J. Kornblith (pages 179–180)

Judy Barrett Litoff Philanthropy in America: A History By Olivier Zunz (pages 180–182)

Scott Relyea Lost Colony: The Untold Story of China's First Great Victory over the West By Tonio Andrade (pages 182–183)

Pradeep Barua Madurese Seafarers: Prahus, Timber and Illegality on the Margins of the Indonesian State By Kurt Stenross (pages 183–184)

Brian Sandberg Imperial Republics: Revolution, War, and Territorial Expansion from the English Civil War to the French Revolution By Edward G. Andrew (pages 184–186)

Henry Reichman The Making of British Socialism By Mark Bevir (pages 186–187)

James L. MacLeod The Great War and the Making of the Modern World By Jeremy Black (pages 187–188)

Markus Vink Commanders of Dutch East India Ships in the Eighteenth Century By Jaap R. Bruijn. Translated By R. L. Robson-McKillop and R. W. Unger (pages 188–190)

Benjamin Woodford This Seat of Mars: War in the British Isles, 1485–1746 By Charles Carlton (pages 190–191)

Paul W. Doerr The Second World War: A Military History By Gordon Corrigan (pages 191–192)

David Simonelli A Genius for Money: Business, Art and the Morrisons By Caroline Dakers (pages 192–193)

David Day Hawke: The Prime Minister By Blanche d'Alpuget (pages 193–194)

Matthew P. Romaniello Internal Colonization: Russia's Imperial Experience By Alexander Etkind (pages 195–196)

Martin R. Menke Hitler, Mussolini, and the Vatican: Pope Pius XI and the Speech That Was Never Made By Emma Fattorini (pages 196–197)

Michael P. Fronda Hannibal: The Military Biography of Rome's Greatest Enemy By Richard A. Gabriel (pages 197–198)

Jason C. White Roads to Power: Britain Invents the Infrastructure State By Jo Guldi (pages 198–200)

Chester M. Rzadkiewicz Being Soviet: Identity, Rumour, and Everyday Life under Stalin, 1939–1953 By Timothy Johnston (pages 200–201)

Lawrence Okamura Romans, Barbarians, and the Transformation of the Roman World: Cultural Interaction and the Creation of Identity in Late Antiquity Edited By Ralph W. Mathisen and Danuta Shanzer (pages 201–203)

Benjamin W. Westervelt Henry VIII, the League of Schmalkalden, and the English Reformation By Rory McEntegart (pages 203–204)

Geoffrey Cocks Nazis after Hitler: How Perpetrators of the Holocaust Cheated Justice and Truth By Donald M. McKale (pages 204–205)

Patricia Kollander Our Fritz: Emperor Frederick III and the Political Culture of Imperial Germany By Frank Lorenz Müller (pages 205–206)

John B. Hattendorf Nelson's Refuge: Gibraltar in the Age of Napoleon By Jason R. Musteen (pages 206–207)

Anna Hájková Eichmann's Jews: The Jewish Administration of Holocaust Vienna, 1938–1945 By Doron Rabinovici (pages 208–209)

Charles H. Ford Sweet Water and Bitter: The Ships That Stopped the Slave Trade By Siân Rees (pages 209–210)

Kenneth Slepyan Why Stalin's Soldiers Fought: The Red Army's Military Effectiveness in World War II By Roger R. Reese (pages 210–211)

James Naus Armies of Heaven: The First Crusade and the Quest for Apocalypse By Jay Rubenstein (pages 212–213)

Donald J. Kagay A Kingdom of Stargazers: Astrology and Authority in the Late Medieval Crown of Aragon By Michael A. Ryan (pages 213–214)

David Gary Shaw Chivalry in Medieval England By Nigel Saul (pages 214–215)

Edward Andrew Nationalism in Europe and America: Politics, Cultures, and Identities since 1775 By Lloyd Kramer (pages 215–216)

Douglas J. Forsyth Bourgeois Dignity: Why Economics Can't Explain the Modern World By Deirdre N. McCloskey (pages 217–218)

Robert Skidelsky Keynes Hayek: The Clash that Defined Modern Economics By Nicholas Wapshott (pages 218–219)


A siege

But tougher times lay ahead. During the night of April 30-May 1, 1863, General Grant crossed his army from Louisiana into Mississippi, and citizens in Vicksburg were on the verge of encountering Union troops.

Grant won the Battle of Port Gibson on May 1 and moved quickly inland, marching northeast toward Edwards and the Southern Railroad of Mississippi, the vital supply line that connected Vicksburg with Jackson and points east. Meanwhile, from May 12 to May 17, Union forces won a battle at Raymond, captured Jackson, and defeated General John C. Pemberton's main army at Champion Hill and the Big Black River. Pemberton retreated into Vicksburg and Grant followed.

So war on a large scale came to Vicksburg again, with the Union army arched around the city from north to east to south and the Union navy on the river. As Pemberton’s dispirited army came into Vicksburg, many women, children, and other noncombatants tried to leave, but with Confederate troops retreating into Vicksburg, and most of the roads out of town leading east into Grant’s army, many had to return.

Grant’s army tried twice to overwhelm Pemberton’s army, and, having failed, settled in for a siege that ultimately lasted 47 days. The siege had various impacts on the lives of people caught in the city. Upper-class white women often went from comfortable circumstances to deprivation and humiliation, lower-class white females went from not having much to having even less, and slave women went from a structured existence to uncertainty.

Whatever their station, the women who stayed in their hometown rather than escaping before Grant arrived struggled to survive. The women had to look out for themselves and try to keep their lives going while the war whirled around them. Their story is one of courage, sacrifice, and persistence. Their surviving letters and diaries tell stories of both physical and mental terror. Their story is one of courage, sacrifice, and persistence.


The Vicksburg Campaign : Strategy, Battles and Key Figures

Although the twin Federal victory at Gettysburg often captures more popular attention, many scholars consider Vicksburg to be the Civil War's decisive action. The Vicksburg Campaign builds on the campaign's well-established literature, including the author's Leadership Lessons: The Campaign for Vicksburg, 1862-63 (Casemate, 2011), to provide a readable narrative that synthesizes other scholarship. It is designed to be an introductory survey of the campaign for those new to the subject, as well as a convenient single-volume reference for the more seasoned reader.

Sufficient background information is contained in introductory chapters that identify the key Federal and Confederate players and the strategic setting that brought Vicksburg to the forefront of the Western Theater. The action is then traced from such early failed attempts as Farragut's navy only effort and Grant's series of canal schemes to the brilliant campaign of manoeuvre that left Pemberton besieged inside Vicksburg. In addition to the narrative account, The Vicksburg Campaign includes information about Vicksburg National Military Park, the Federal and Confederate Orders of Battle, and the Medal of Honor at Vicksburg as appendices.
mostre mais


Assista o vídeo: The antebellum homes of Natchez, Mississippi